Liberais sobem e extrema-direita desce na Dinamarca

Dinamarqueses votam no domingo nas eleições para o Parlamento Europeu

Os partidos dinamarqueses que integram o grupo dos liberais no Parlamento Europeu deverão eleger seis deputados, o dobro, pois até agora havia apenas três eleitos dinamarqueses, vindos de dois partidos pró-UE, no grupo do ALDE.

Estes são resultados de uma sondagem Epinion, citada pela DR.dk, a qual aponta para uma descida do Partido Popular Dinamarquês, que integra a aliança de extrema-direita, populista e nacionalista de Matteo Salvini, devendo esta perder um eurodeputado em relação às eleições de 2014, ou seja, elegerá três.

Os sociais-democratas, revela o mesmo estudo de opinião, conseguirão eleger quatro eurodeputados. Os conservadores que há cinco anos elegeram um deputado agora não terão nenhum representante em Bruxelas e Estrasburgo.

A Dinamarca, país que tem direito a eleger 13 eurodeputados nestas eleições europeias, vota no domingo. No dia 5 de junho, os dinamarqueses voltam às urnas para votar em eleições legislativas.

Assinale-se que a comissária dinamarquesa, Margrethe Vestager, responsável pela pasta da Concorrência, é a candidata do ALDE à presidência da Comissão Europeia. Este grupo, liderado pelo ex-primeiro-ministro belga Guy Verhofstad, poderá aumentar consideravelmente após as eleições europeias. É esperada uma subida de eurodeputados de partidos como os liberais-democratas no Reino Unido ou o Ciudadanos em Espanha.

ALDE é a sigla de Aliança de Liberais e Democratas pela Europa, mas Verhofstad demonstrou-se disponível para tirar o liberal, por forma a acomodar os eleitos do La Republique en Marche do presidente francês Emmanuel Macron. Este defende uma aliança de progressistas por um Renascimento da Europa, com o apoio, declarado, de líderes europeus como o primeiro-ministro português e líder do Partido Socialista António Costa.

Este grupo pretende ser um contraponto ao grupo de nacionalistas, populistas e extremistas de direita no Parlamento Europeu, compostos pela Liga de Salvini, a União Nacional de Le Pen ou a Alternativa para a Alemanha, entre outros, podendo vir a contar com o Fidesz, do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, atualmente suspenso do Partido Popular Europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.