Leaving Neverland: músicas de Michael Jackson banidas da rádio e estátua removida de museu

O documentário, Leaving Neverland onde Michael Jackson é acusado de ter cometido abusos sexuais a crianças fez com que várias estações de rádio banissem as músicas do cantor.

O documentário Leaving Neverland, realizado por Dan Reed, lançado na passada quarta-feira, nos Estados Unidos teve consequências negativas para a imagem de Michael Jackson. Primeiro foram várias as estações de rádio que baniram as músicas do rei da pop, agora é a sua estátua a ser removida do Museu Nacional de Futebol da Grã-Bretanha.

Depois de divulgado o documentário onde, ao longo de quatro horas, dois homens, Wade Robson e James Safechuck contam detalhadamente os abusos sofridos pelo cantor, as ondas de choque ainda não pararam de surgir por todo o Mundo. Na Nova Zelândia, a emissora pública e outras entidades comerciais decidiram deixar de emitir as músicas de Jackson. A emissora RNZ afirma aplicar "julgamento editorial" a qualquer música e que devido ao panorama atual, Jackson e a sua música não correspondem ao pretendido pela estação, de acordo com o The Guardian. A emissora diz que a única exceção para dar protagonismo ao cantor será as suas músicas passarem "como parte de uma notícia ou para dar cor a um comentário".

O diretor da emissora New Zeeland Media and Entertainment (NZME), Dean Buchanan confirmou também ter retirado o músico da playtlist. Este diz que as programações "são mudadas todas as semanas", porém, neste momento as músicas de Jackson não fazem parte das próximas.

No entanto, esta situação não aconteceu apenas nas emissoras da Nova Zelândia. Depois das acusações feitas ao cantor, algumas emissoras do Canadá decidiram também eliminar "o Rei da Pop" das suas playlists . As estações CKOI, Rythme e a The Beat confirmaram ter retirado as músicas na passada segunda-feira. Christine Dicaire, porta-voz da companhia Cogeco - que gere 23 estacões de rádio, diz que a atitude deve-se à polémica gerada pelo documentário e à reação do público.

Apesar de o The Times ter declarado que a BBC também tinha retirado Jackson da sua emissão, a emissora recusou, dizendo que "a BBC não bane artistas" à revista Variety. "Ainda hoje, uma estação passou uma música de Michael Jackson", disse a porta-voz da emissora.

O diretor de Leaving Neverland, Dan Reed diz que o impacto do documentário só será percetível com o tempo. "As pessoas têm de ouvir a música de Jackson com o conhecimento que ele era violador infantil prolífico. Se estão confortáveis com isso, tudo bem. Se não estão, talvez escutem outra coisa por um tempo", citado on The Guardian. O estado de Michael Jackson condenou o documentário, acusando-o de ser uma "forma patética de extorquir e fazer dinheiro a partir de Michael Jackson" e os fãs do cantor já realizaram várias ameaças a Reed.

Na passada terça-feira, um debate sobre as acusações feitas ao cantor e a possibilidade da sua música ser banida, foram discutidas no programa britânico, This Morning. Danny Oliver, um fã de Jackson defendeu o cantor, dizendo que passou bastante tempo com este - durante mais de 10 anos, e que sempre o considerou um homem "humilde e amoroso". Nick Ferrari, um emissor de rádio britânico, pelo contrário, confessa nunca mais querer ouvir as músicas de Jackson e diz admirar os homens que relataram o que lhes aconteceu, no documentário.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.