Kim vai à China explicar negociações com Trump

Líder norte coreano inicia esta terça-feira uma visita de dois dias ao seu principal aliado, que quer ter uma papel de peso nas negociações com os Estados Unidos da América

O líder da Coreia do Norte inicia hoje uma visita de dois dias à China, apenas uma semana depois da histórica cimeira com Donald Trump em Singapura. Este encontro entre Kim Jong Un e os seus aliados em Pequim, que é já o terceiro em apenas três meses, deve servir para informar o presidente chinês, Xi Jiping, sobre as negociações com os Estados Unidos da América.

"Kim Jong Un, presidente do Partido dos Trabalhadores da Coreia e presidente da Comissão de Assuntos de Estado da República Popular Democrática da Coreia, estará em visita à China entre os dias 19 e 20 de junho". Foi desta forma que a versão em português da Xinhua, a agência estatal chinesa, anunciou a chegada do líder norte-coreano. Um curto comunicado, sem pormenores sobre a agenda da deslocação, mas que traz uma novidade. É que as visitas anteriores só foram anunciadas depois de já terem acontecido.

A ida de Kim Jong Un à China já tinha sido antecipada nos últimos dias em vários meios diplomáticos, dado o peso de Pequim junto dos seus vizinhos. Os dirigentes chineses congratularam-se com a aproximação entre Washington e Pyongyang, em especial depois de Donald Trump ter anunciado a suspensão dos exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul, agendados para as próximas semanas. "Iremos parar os jogos de guerra", anunciou o presidente norte-americano em Singapura. Do lado da Coreia do Norte, houve garantias de manter o processo de desnuclearização do país.

O nosso governo espera que a China desempenhe um papel construtivo na resolução deste problema

Um objetivo, garante o ministério dos Negócios Estrangeiros sul-coreano, que é partilhado também pelas autoridades de Pequim. "O nosso governo espera que a China desempenhe um papel construtivo na resolução deste problema [a total desnuclearização da península da Coreia]", afirmou o porta voz da diplomacia da Coreia do Sul, Noh Kyu-deok, que disse esperar que "a visita de de Kim Jong Un contribua para isso".

O dirigente norte-coreano tenta diminuir as sanções económicas internacionais impostas ao seu país em troca das promessas para acabar com o seu programa nuclear. Objetivo para o qual conta com o apoio da diplomacia chinesa, que também já mostrou que quer ter um papel importante neste processo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.