Juiz do Supremo reforma-se e Trump pode tornar tribunal ainda mais conservador

Anthony Kennedy, que tinha sido nomado em 1988 pelo presidente Ronald Reagan (republicano), anunciou a reforma.

O juiz Anthony Kennedy anunciou que se vai reformar no final de julho, após três décadas no Supremo Tribunal dos EUA. Isso dará uma oportunidade ao presidente norte-americano, Donald Trump, de tornar o tribunal de nove membros ainda mais conservador.

"Tem sido uma grande honra e privilégio servir a nossa nação no judiciário federal durante 43 anos, 30 deles no Supremo Tribunal", disse Kennedy num comunicado, justificando a reforma com a decisão de querer passar mais tempo com a família.

Kennedy, que fará 82 anos no próximo mês, é o segundo juiz mais velho no Supremo (a mais velha é a liberal Ruth Bader Ginsburg). Nomeado para o cargo pelo presidente republicano Ronald Reagan, em 1988, tanto votou ao lado dos conservadores, como dos liberais. Foi dele o voto chave em temas como o aborto, os direitos homossexuais, financiamento de campanha ou discriminação positiva.

Na terça-feira, votou ao lado de outros quatro juízes para dar a Trump uma vitória na decisão sobre a continuação do travel ban, a proibição de entrada nos EUA de visitantes de sete países, cinco dos quais de maioria muçulmana. E hoje, votou novamente ao lado dos conservadores, cortando uma das importantes fontes de rendimento dos sindicatos.

Este será o segundo juiz do Supremo Tribunal que Trump poderá nomear, tendo já restaurado a maioria conservadora com a nomeação de Neil Gorsuch no ano passado - depois de os senadores republicanos terem recusado considerar o nomeado de Barack Obama, Merrick Garland.

Trump elogiou Kennedy como um homem "com uma visão tremenda" e disse que a sua procura por um novo juiz vai começar "imediatamente". O nomeado, que tem que ser aprovado no Senado, onde os republicanos têm uma ligeira maioria (51-49), sairá de uma lista de 25 candidatos que o presidente já possui.

Apesar de Kennedy alegar querer passar mais tempo com a família, segundo a AP, vários ex-colaboradores dizem que prefere ser substituído por um republicano e, com o controlo do Senado em risco nas eleições de novembro, Trump poderá depois ter dificuldades em fazer aprovar um candidato.

Uma das questões chave será o aborto, já que Kennedy tem apoiado os direitos das mulheres neste ponto e Trump já deixou claro que quererá escolher alguém que quererá revogar a histórica decisão Roe vs. Wade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).