Juiz do Supremo reforma-se e Trump pode tornar tribunal ainda mais conservador

Anthony Kennedy, que tinha sido nomado em 1988 pelo presidente Ronald Reagan (republicano), anunciou a reforma.

O juiz Anthony Kennedy anunciou que se vai reformar no final de julho, após três décadas no Supremo Tribunal dos EUA. Isso dará uma oportunidade ao presidente norte-americano, Donald Trump, de tornar o tribunal de nove membros ainda mais conservador.

"Tem sido uma grande honra e privilégio servir a nossa nação no judiciário federal durante 43 anos, 30 deles no Supremo Tribunal", disse Kennedy num comunicado, justificando a reforma com a decisão de querer passar mais tempo com a família.

Kennedy, que fará 82 anos no próximo mês, é o segundo juiz mais velho no Supremo (a mais velha é a liberal Ruth Bader Ginsburg). Nomeado para o cargo pelo presidente republicano Ronald Reagan, em 1988, tanto votou ao lado dos conservadores, como dos liberais. Foi dele o voto chave em temas como o aborto, os direitos homossexuais, financiamento de campanha ou discriminação positiva.

Na terça-feira, votou ao lado de outros quatro juízes para dar a Trump uma vitória na decisão sobre a continuação do travel ban, a proibição de entrada nos EUA de visitantes de sete países, cinco dos quais de maioria muçulmana. E hoje, votou novamente ao lado dos conservadores, cortando uma das importantes fontes de rendimento dos sindicatos.

Este será o segundo juiz do Supremo Tribunal que Trump poderá nomear, tendo já restaurado a maioria conservadora com a nomeação de Neil Gorsuch no ano passado - depois de os senadores republicanos terem recusado considerar o nomeado de Barack Obama, Merrick Garland.

Trump elogiou Kennedy como um homem "com uma visão tremenda" e disse que a sua procura por um novo juiz vai começar "imediatamente". O nomeado, que tem que ser aprovado no Senado, onde os republicanos têm uma ligeira maioria (51-49), sairá de uma lista de 25 candidatos que o presidente já possui.

Apesar de Kennedy alegar querer passar mais tempo com a família, segundo a AP, vários ex-colaboradores dizem que prefere ser substituído por um republicano e, com o controlo do Senado em risco nas eleições de novembro, Trump poderá depois ter dificuldades em fazer aprovar um candidato.

Uma das questões chave será o aborto, já que Kennedy tem apoiado os direitos das mulheres neste ponto e Trump já deixou claro que quererá escolher alguém que quererá revogar a histórica decisão Roe vs. Wade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.