Cabo Verde. Jovem detido em esquadra morto por polícia

O polícia responsável pelo homicídio do jovem detido foi encontrado sem vida esta quarta-feira, num possível quadro de suicídio.

Um jovem que estava detido numa esquadra da Polícia Nacional de Cabo Verde foi morto a tiro na noite de terça-feira por um agente da força policial. O agente responsável foi encontrado esta quarta-feira sem vida, informou a corporação.

Em conferência de imprensa, o comandante regional de Santiago Sul e Maio, Renato Fernandes, informou que o caso começou na noite de terça-feira, quando um jovem, de 23 anos, que estava detido na Esquadra de Achada de Santo António para ser presente ao Ministério Público, terá sido vítima de um disparo com arma de fogo do agente policial.

O responsável da Polícia Nacional avançou que o jovem, que residia no bairro de Eugénio Lima e que foi detido numa operação em Achadinha, deu entrada no Hospital Central da Praia perto da meia-noite, onde viria a falecer.

Renato Fernandes acrescentou que o jovem pertencia a um grupo de Achadinha e Eugénio Lima e já tinha "várias" passagens pela Polícia Nacional, sendo que no momento em que foi detido tinha na sua posse uma arma de fogo e produtos furtados.

O comandante adiantou que o agente policial, de 33 anos, saiu depois da esquadra policial e foi encontrado esta manhã sem vida, num possível quadro de suicídio, após o homicídio do jovem.

Renato Fernandes disse que, depois do incidente na esquadra, o agente deveria apresentar-se na Polícia Nacional, narrar os factos e assumir as consequências e responsabilidades, além de ser desarmado.

Entretanto, notou que o policial "pôs-se em fuga", foi procurado durante toda a noite até ser encontrado morto numa casa a cerca de 300 metros da esquadra, situado no bairro mais populoso de Cabo Verde.

O corpo foi levantado por volta das 10:00 locais (12:00 em Lisboa), após um aparato policial montado no local, que juntou também muitos curiosos e familiares do agente policial.

Aquele oficial da Polícia Nacional de Cabo Verde informou ainda à imprensa que o Comando Regional já mandou abrir um inquérito interno, que deverá ficar concluído em 30 dias, com visita a apurar as circunstâncias do incidente na Esquadra Policial de Achada de Santo António.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.