Jornal húngaro diz que Billy Elliot pode tornar as crianças homossexuais

Após o artigo num jornal próximo do governo de Viktor Orbán, a venda de bilhetes para o espetáculo caiu a pique e a Ópera Nacional da Hungria cancelou o musical

A história incrível de Billy Elilot, o menino de 11 anos que sonha ser bailarino, foi contada no cinema por Stephen Daldry e, mais tarde, transformada em musical. O espetáculo tem sido apresentado pelo mundo inteiro e apesar de ter estreado em Budapeste em 2016, a Ópera Nacional da Hungria decidiu cancelar as 15 apresentações do musical que já estavam agendadas. Na base dessa decisão está uma campanha homofóbica iniciada por um jornal próximo do governo ultraconservador de Viktor Orbán.

O jornal Magyar Idök assistiu ao musical e lançou uma "advertência", na edição de 1 de junho, onde dizia que crianças que assistissem ao espetáculo corriam o risco de se tornarem homossexuais, segundo o Huffington Post.

A publicação acusou o musical de "propagar" a homossexualidade de uma forma que "afeta o subconsciente dos menores, sobretudo numa idade em que podem sofrer uma influência na sua inclinação [sexual]", acrescentou a agência EFE.

O diretor da Ópera, Szilveszter Ókovács, informou os atores do cancelamento esta quinta-feira.

Uma campanha negativa foi desenvolvida na imprensa sobre a produção de Billy Elliot que afetou a venda de ingressos, então as próximas quinze apresentações foram canceladas.

O musical tem estado em exibição em Budapeste desde junho de 2016 e mais de 100 mil pessoas já assistiram ao espetáculo.

As apresentações que foram canceladas estavam agendadas para o período entre 19 de junho e 14 de julho, de acordo com um comunicado da empresa, que garantiu que os bilhetes que já tinham sido vendidos serão reembolsados ou trocados para outras datas a designar.

Billy Elliot, o filme, foi lançado em 2000 e conta a história de um menino, órfão de mãe, que cresce numa cidade de mineiros no Reino Unido. Billy tem 11 anos e apaixona-se pelo ballet, apesar do pai desejar que pratique boxe. A longa-metragem foi um sucesso estrondoso aos olhos da crítica e do público. Foi nomeado três vezes aos Óscares e 12 aos prémios BAFTA (arrecadou dois).

Cinco anos depois da estreia nos cinemas, Billy Eliot foi adaptado ao teatro com músicas de Elton John e estreou no Victoria Palace Theatre, em Londres, em maio de 2005. Três anos depois chega a Broadway. Em 2018, é barrado na Hungria.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.