Jornal húngaro diz que Billy Elliot pode tornar as crianças homossexuais

Após o artigo num jornal próximo do governo de Viktor Orbán, a venda de bilhetes para o espetáculo caiu a pique e a Ópera Nacional da Hungria cancelou o musical

A história incrível de Billy Elilot, o menino de 11 anos que sonha ser bailarino, foi contada no cinema por Stephen Daldry e, mais tarde, transformada em musical. O espetáculo tem sido apresentado pelo mundo inteiro e apesar de ter estreado em Budapeste em 2016, a Ópera Nacional da Hungria decidiu cancelar as 15 apresentações do musical que já estavam agendadas. Na base dessa decisão está uma campanha homofóbica iniciada por um jornal próximo do governo ultraconservador de Viktor Orbán.

O jornal Magyar Idök assistiu ao musical e lançou uma "advertência", na edição de 1 de junho, onde dizia que crianças que assistissem ao espetáculo corriam o risco de se tornarem homossexuais, segundo o Huffington Post.

A publicação acusou o musical de "propagar" a homossexualidade de uma forma que "afeta o subconsciente dos menores, sobretudo numa idade em que podem sofrer uma influência na sua inclinação [sexual]", acrescentou a agência EFE.

O diretor da Ópera, Szilveszter Ókovács, informou os atores do cancelamento esta quinta-feira.

Uma campanha negativa foi desenvolvida na imprensa sobre a produção de Billy Elliot que afetou a venda de ingressos, então as próximas quinze apresentações foram canceladas.

O musical tem estado em exibição em Budapeste desde junho de 2016 e mais de 100 mil pessoas já assistiram ao espetáculo.

As apresentações que foram canceladas estavam agendadas para o período entre 19 de junho e 14 de julho, de acordo com um comunicado da empresa, que garantiu que os bilhetes que já tinham sido vendidos serão reembolsados ou trocados para outras datas a designar.

Billy Elliot, o filme, foi lançado em 2000 e conta a história de um menino, órfão de mãe, que cresce numa cidade de mineiros no Reino Unido. Billy tem 11 anos e apaixona-se pelo ballet, apesar do pai desejar que pratique boxe. A longa-metragem foi um sucesso estrondoso aos olhos da crítica e do público. Foi nomeado três vezes aos Óscares e 12 aos prémios BAFTA (arrecadou dois).

Cinco anos depois da estreia nos cinemas, Billy Eliot foi adaptado ao teatro com músicas de Elton John e estreou no Victoria Palace Theatre, em Londres, em maio de 2005. Três anos depois chega a Broadway. Em 2018, é barrado na Hungria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.