Libertado italiano sequestrado há três anos na Síria

O anúncio da libertação do empresário foi feito pelo primeiro-ministro de Itália, Giuseppe Conte.

O italiano Sérgio Zanotti, que estava sequestrado na Síria há cerca de três anos, foi libertado e vai regressar a Itália nos próximos dias, anunciou esta sexta-feira o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

Sérgio Zanotti, um empresário da região de Brescia, de 56 anos, foi sequestrado em abril de 2016, quando fazia uma viagem de negócios à Turquia, perto da fronteira com a Síria.

"Sérgio Zanotti está em bom estado geral de saúde. Depois de uma complexa atividade de inteligência, investigação e diplomacia, levada a cabo de uma maneira sinérgica, conseguimos a sua libertação", disse Giuseppe Conte.

O primeiro-ministro italiano considerou que foi um "grande sucesso" das instituições italianas envolvidas na operação, em especial da Agência de Informação e Segurança Externa do país.

Durante o tempo em que esteve sequestrado por um grupo ligado à Al-Qaida, Sérgio Zanotti surgiu em dois vídeos, o último dos quais em maio de 2017 e o primeiro alguns meses antes.

O refém surgiu nos vídeos, vestido com uma túnica, a pedir a intervenção do Governo para impedir a sua execução, enquanto atrás dele estava um homem, vestido de negro, encapuzado e armado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?