Islamismo será a religião mais popular do planeta já em 2070

Estudo norte-americana aponta migrações na Europa e população islâmica nos EUA como principais razões

O Islamismo vai ser a maior e mais popular religião do mundo já em 2070, concluiu um estudo realizado num centro de pesquisas em Washington , o Pew Research Center.

As migrações para a Europa e a população ligada ao Islão que vive nos EUA constituem os principais motivos, o mesmo estudo aponta, citado pelo Daily Mail.

Daqui a pouco mais de cinquenta anos o número de cristãos será igualado pela população islâmica, com ambos a corresponderem a 32% da população, afirma o Pew Research Center.

Já em 2100, o Islão terá 1% mais da população mundial do que o cristianismo. A população islâmica é aquela que mais cresce no planeta e, em 2010, existiam cerca de 1,6 mil milhões de pessoas ligadas ao Islão.

Este número ainda fica atrás do número de cristãos - 2,2 mil milhões - que constitui 31% da população mundial.

O estudo afirma ainda que os muçulmanos estão a ter mais filhos do que qualquer outro grupo religioso, com cada mulher a ter uma média de 3,1 filhos, ao contrário dos 2,3, número que se obtém juntando todos os outros grupos.

Segundo dados também de 2010, a idade média dos muçulmanos era 23 anos, sete anos mais jovens do que os não muçulmanos.

Em 2050, espera-se que a Índia se torne o país com maior população muçulmana, destronando a Indonésia. Apenas nos EUA existem 3.3 milhões de muçulmanos, o equivalente a 1% da população. Em 2050 este número deverá chegar aos 2.1%.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.