Hungria criminaliza ajuda a migrantes

A lei é conhecida como "STOP Soros", numa referência ao bilionário e filantropo norte-americano de origem húngara George Soros, que apoia uma série de ONGs que apoiam migrantes.

O Parlamento húngaro aprovou uma nova lei que criminaliza o auxílio aos migrantes, podendo os advogados ou ativistas de direitos humanos ser condenados a um ano de prisão por "facilitar a imigração ilegal".

A lei é conhecida como "STOP Soros", numa referência ao bilionário e filantropo norte-americano de origem húngara, George Soros, que apoia várias organizações não-governamentais que o governo acusa de apoiarem migrantes muçulmanos.

"O povo húngaro espera que o governo use todos os meios necessários para combater a imigração ilegal e as atividades que a auxiliam", indicou o ministro do Interior, Sandor Pinter, no documento que justifica a legislação. "O conjunto de leis STOP Soros serve esse propósito, tornando a organização da imigração ilegal num crime. Queremos usar as leis para impedir que a Hungria se transforme num país de imigrantes", acrescentou.

Segundo a lei, indivíduos ou grupos que ajudam os migrantes que não têm direito a proteção a apresentar pedidos de asilo ou que ajudam migrantes ilegais a conseguir estatuto para ficar na Hungria podem ser condenados a penas de prisão. Essa ajuda pode ser legal (advogados), mas também providenciar informações, comida ou abrigo.

O partido de extrema-direita Fidesz, do primeiro-ministro Viktor Orbán, tem uma maioria de dois terços no Parlamento e também aprovou uma emenda constitucional para declarar que "a população estrangeira" não pode assentar na Hungria. Orbán tem estado na liderança da oposição dentro da União Europeia às quotas de distribuição de migrantes, sendo também crítico da política de portas-abertas da chanceler alemã, Angela Merkel.

O Fidesz foi reeleito com grande maioria em abril após uma campanha em que atacou o bilionário George Soros e as ONGs liberais que ele apoia. Orbán acusa Soros de encorajar a imigração em massa de forma a minar a Europa, algo que o bilionário rejeita.

A Hungria diz que a imigração é uma ameaça à segurança nacional, sendo alvo de críticas internacionais por causa da sua política de mão-forte contra os migrantes.

Tanto o Conselho da Europa como a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa têm criticado a nova legislação, que consideram "arbitrária" e vaga, alegando que vai contra as leis europeias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.