Homem esfaqueia pessoas em Paris. Dois mortos e quatro feridos

Atacante é uma das vítimas mortais. Estado Islâmico reivindica ataque que aconteceu nas proximidades da Opéra Garnier

Um homem esfaqueou várias pessoas em ruas de Paris, este sábado à noite, no 2.º bairro da capital francesa, nas proximidades da Ópera Garnier, avança o jornal Le Parisien, antes de ser abatido a tiro pela polícia.

Segundo agências internacionais, pouco depois dos acontecimentos terem tido lugar, o Daesh reivindicou o ataque através da sua agência Amaq, qualificando o agressor de "soldado do Estado islâmico". A informação não foi confirmada por nenhuma fonte independente.

De acordo com fontes policiais citadas por este jornal, duas pessoas foram mortas, incluindo o atacante, e outras quatro ficaram feridas. Inicialmente o Le Parisien indicou oito feridos, citando as fontes da polícia.

Dois dos feridos estão em estado grave, tendo sido esfaqueados na garganta. A vítima mortal é um homem de 29 anos. Já o atacante é um homem na casa dos 20 anos, mas que não tinha consigo qualquer identificação. As suas impressões digitais foram recolhidas pelas forças policiais no local.

Segundo o jornal, o ataque ocorreu numa zona conhecida pelos seus muitos restaurantes, na rue St. Augustine . Vários vídeos colocados nas redes sociais mostravam pessoas a fugirem pelas ruas do bairro.

No Twitter, o ministro do Interior, Gérard Collomb, "elogiou o sangue frio e a capacidade de resposta das forças policiais que neutralizaram o agressor". E acrescentou: "Os meus primeiros pensamentos vão para as vítimas deste ato hediondo."

[atualizado às 00.15 com a reivindicação do Daesh e a correção do número de feridos]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.