Homem esfaqueia pessoas em Paris. Dois mortos e quatro feridos

Atacante é uma das vítimas mortais. Estado Islâmico reivindica ataque que aconteceu nas proximidades da Opéra Garnier

Um homem esfaqueou várias pessoas em ruas de Paris, este sábado à noite, no 2.º bairro da capital francesa, nas proximidades da Ópera Garnier, avança o jornal Le Parisien, antes de ser abatido a tiro pela polícia.

Segundo agências internacionais, pouco depois dos acontecimentos terem tido lugar, o Daesh reivindicou o ataque através da sua agência Amaq, qualificando o agressor de "soldado do Estado islâmico". A informação não foi confirmada por nenhuma fonte independente.

De acordo com fontes policiais citadas por este jornal, duas pessoas foram mortas, incluindo o atacante, e outras quatro ficaram feridas. Inicialmente o Le Parisien indicou oito feridos, citando as fontes da polícia.

Dois dos feridos estão em estado grave, tendo sido esfaqueados na garganta. A vítima mortal é um homem de 29 anos. Já o atacante é um homem na casa dos 20 anos, mas que não tinha consigo qualquer identificação. As suas impressões digitais foram recolhidas pelas forças policiais no local.

Segundo o jornal, o ataque ocorreu numa zona conhecida pelos seus muitos restaurantes, na rue St. Augustine . Vários vídeos colocados nas redes sociais mostravam pessoas a fugirem pelas ruas do bairro.

No Twitter, o ministro do Interior, Gérard Collomb, "elogiou o sangue frio e a capacidade de resposta das forças policiais que neutralizaram o agressor". E acrescentou: "Os meus primeiros pensamentos vão para as vítimas deste ato hediondo."

[atualizado às 00.15 com a reivindicação do Daesh e a correção do número de feridos]

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.