Guterres quer força da ONU a proteger palestinianos

O secretário-geral das Nações Unidas apresentou propostas que vão desde o envio de observadores até à presença de uma força policial sob mandato da ONU.

As propostas, segundo a agência de notícias AFP, constam de um relatório solicitado pela Assembleia-Geral da ONU depois de uma nova onda de violência em Gaza, onde 171 palestinianos foram mortos por disparos das tropas israelitas desde o fim de março.

António Guterres salientou que as propostas no relatório de 14 páginas implicam cooperação entre palestinianos e israelitas.

As propostas são a existência de uma "presença mais forte da ONU no terreno", com observadores de direitos humanos e observadores políticos a monitorizarem a situação, a expansão da ajuda humanitária e ao desenvolvimento para "garantir o bem estar da população"; a criação de uma missão de observação em áreas sensíveis; e a mobilização de uma força policial ou militar, sob a égide da ONU, para proteger fisicamente os civis palestinianos.

O mandato da ONU para a mobilização de uma força de proteção exigiria uma decisão do Conselho de Segurança, mas é pouco provável que tal possa avançar, dado que desde 1994 que Israel tem rejeitado os pedidos para uma presença internacional nas áreas mais problemáticas, lembra a AFP.

As propostas avançadas pelas Nações Unidas surgem numa altura em que Israel e o movimento palestiniano Hamas mantêm conversações indiretas, mediadas pelo Egito, para um cessar-fogo duradouro, após a pior escalada militar na Faixa de Gaza desde 2014 e que terminou com uma trégua temporária.

Desde julho, a Faixa de Gaza e as zonas periféricas israelitas sofreram três focos de violência, o último dos quais na semana passada, no que foi um dos mais violentos confrontos entre Israel e o Hamas desde a guerra de 2014.

Na quinta-feira passada, sob a égide do Egito e das Nações Unidas, foi decretada uma trégua, que todos reconhecem ser bastante frágil.

A instabilidade na faixa de Gaza aumentou com o início dos protestos da Grande Marcha do Retorno.

São pelo menos 164 os palestinianos mortos a tiro por israelitas no enclave desde que começaram, a 30 de março, as manifestações ao longo da barreira de segurança com Israel para denunciar o bloqueio imposto há mais de 10 anos e exigir o direito de regresso dos palestinianos às terras de onde fugiram ou foram expulsos quando o Estado hebreu foi criado em 1948.

No último mês registaram-se várias escaladas de tensão, com disparos a partir de Gaza, manifestações e tentativas de infiltração e bombardeamentos e disparos israelitas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.