Gulbenkian e outras fundações apelam a soluções conjuntas para a crise dos refugiados

Parceiros do 'Vision Europe Summit' consideram que os países europeus já tiveram tempo suficiente para analisar e avaliar os desafios de longa duração que levaram à crise atual

Os parceiros do 'Vision Europe Summit', do qual faz parte a Fundação Calouste Gulbenkian, divulgaram uma carta aberta na qual salientam a necessidade dos líderes europeus em implementar soluções comuns para a crise de refugiados. Considerado "um sério desafio, tanto para o bem-estar dos refugiados como para as sociedades europeias", os parceiros referem que "os países europeus tiveram já tempo suficiente para analisar e avaliar os desafios de longa duração que levaram à crise atual".

"É chegada a altura de agir", lê-se na carta aberta. As fundações apresentam algumas medidas para resolver a questão. "É importante controlar as fronteiras externas da UE, de modo a que apenas refugiados fugindo da guerra e de perseguições, os quais têm o direito legítimo de requerer asilo, possam entrar e potencialmente permanecer na UE", salientam. Referem ainda que além de implementar a recolocação acordada dos 160 mil refugiados da Grécia e Itália, os parceiros do 'Vision Europe Summit' escrevem que "UE deve desenvolver um sistema que permita distribuir um número muito maior de refugiados por toda a União".

Apelam ainda que sejam melhorados, padronizados e acelerados os processos de resposta aos pedidos de asilo. Recomendam também que "sejam alargados os esforços ao nível da UE para melhorar as condições de vida dos refugiados que ficam em países próximos dos seus países de origem".

Outra das medidas apresentadas é que a "UE e os seus Estados-Membros devem trabalhar vigorosamente para acabar com os conflitos violentos que são as principais causas da crise".

O documento já foi enviado para a Comissão Europeia, Parlamento Europeu e para o Governo português.

Leia a carta aberta do 'Vision Europe' na íntegra.

O 'Vision Europe' é um consórcio de grupos de reflexão e de fundações que colaboram para enfrentar alguns dos desafios mais importantes que a Europa enfrenta. Tem como objetivo promover o debate e apresentar recomendações de forma a melhorar algumas das políticas europeias.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.