Gulbenkian e outras fundações apelam a soluções conjuntas para a crise dos refugiados

Parceiros do 'Vision Europe Summit' consideram que os países europeus já tiveram tempo suficiente para analisar e avaliar os desafios de longa duração que levaram à crise atual

Os parceiros do 'Vision Europe Summit', do qual faz parte a Fundação Calouste Gulbenkian, divulgaram uma carta aberta na qual salientam a necessidade dos líderes europeus em implementar soluções comuns para a crise de refugiados. Considerado "um sério desafio, tanto para o bem-estar dos refugiados como para as sociedades europeias", os parceiros referem que "os países europeus tiveram já tempo suficiente para analisar e avaliar os desafios de longa duração que levaram à crise atual".

"É chegada a altura de agir", lê-se na carta aberta. As fundações apresentam algumas medidas para resolver a questão. "É importante controlar as fronteiras externas da UE, de modo a que apenas refugiados fugindo da guerra e de perseguições, os quais têm o direito legítimo de requerer asilo, possam entrar e potencialmente permanecer na UE", salientam. Referem ainda que além de implementar a recolocação acordada dos 160 mil refugiados da Grécia e Itália, os parceiros do 'Vision Europe Summit' escrevem que "UE deve desenvolver um sistema que permita distribuir um número muito maior de refugiados por toda a União".

Apelam ainda que sejam melhorados, padronizados e acelerados os processos de resposta aos pedidos de asilo. Recomendam também que "sejam alargados os esforços ao nível da UE para melhorar as condições de vida dos refugiados que ficam em países próximos dos seus países de origem".

Outra das medidas apresentadas é que a "UE e os seus Estados-Membros devem trabalhar vigorosamente para acabar com os conflitos violentos que são as principais causas da crise".

O documento já foi enviado para a Comissão Europeia, Parlamento Europeu e para o Governo português.

Leia a carta aberta do 'Vision Europe' na íntegra.

O 'Vision Europe' é um consórcio de grupos de reflexão e de fundações que colaboram para enfrentar alguns dos desafios mais importantes que a Europa enfrenta. Tem como objetivo promover o debate e apresentar recomendações de forma a melhorar algumas das políticas europeias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).