Gulbenkian e outras fundações apelam a soluções conjuntas para a crise dos refugiados

Parceiros do 'Vision Europe Summit' consideram que os países europeus já tiveram tempo suficiente para analisar e avaliar os desafios de longa duração que levaram à crise atual

Os parceiros do 'Vision Europe Summit', do qual faz parte a Fundação Calouste Gulbenkian, divulgaram uma carta aberta na qual salientam a necessidade dos líderes europeus em implementar soluções comuns para a crise de refugiados. Considerado "um sério desafio, tanto para o bem-estar dos refugiados como para as sociedades europeias", os parceiros referem que "os países europeus tiveram já tempo suficiente para analisar e avaliar os desafios de longa duração que levaram à crise atual".

"É chegada a altura de agir", lê-se na carta aberta. As fundações apresentam algumas medidas para resolver a questão. "É importante controlar as fronteiras externas da UE, de modo a que apenas refugiados fugindo da guerra e de perseguições, os quais têm o direito legítimo de requerer asilo, possam entrar e potencialmente permanecer na UE", salientam. Referem ainda que além de implementar a recolocação acordada dos 160 mil refugiados da Grécia e Itália, os parceiros do 'Vision Europe Summit' escrevem que "UE deve desenvolver um sistema que permita distribuir um número muito maior de refugiados por toda a União".

Apelam ainda que sejam melhorados, padronizados e acelerados os processos de resposta aos pedidos de asilo. Recomendam também que "sejam alargados os esforços ao nível da UE para melhorar as condições de vida dos refugiados que ficam em países próximos dos seus países de origem".

Outra das medidas apresentadas é que a "UE e os seus Estados-Membros devem trabalhar vigorosamente para acabar com os conflitos violentos que são as principais causas da crise".

O documento já foi enviado para a Comissão Europeia, Parlamento Europeu e para o Governo português.

Leia a carta aberta do 'Vision Europe' na íntegra.

O 'Vision Europe' é um consórcio de grupos de reflexão e de fundações que colaboram para enfrentar alguns dos desafios mais importantes que a Europa enfrenta. Tem como objetivo promover o debate e apresentar recomendações de forma a melhorar algumas das políticas europeias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.