Este é o país mais feliz do mundo

Países nórdicos ocupam os primeiros quatro lugares da tabela. Top 6 é inteiramente europeu. Portugal ocupa o lugar 77, depois de uma subida de 12 posições

A Finlândia é o país mais feliz do mundo, ultrapassando a Noruega no relatório da Felicidade Mundial, das Nações Unidas. Portugal sobre 12 lugares e está agora em 77 entre os 156 territórios.

Até ao sexto lugar só aparecem países europeus e do norte: Finlândia, Noruega, Dinamarca, Islândia, Suíça e Holanda. O Canadá é o primeiro não europeu a aparecer na lista das Nações Unidas. O país mais infeliz do mundo é o Burundi, a braços com uma guerra civil, limpezas étnicas e golpes de estado. Juntamente com o Ruanda, Iémen, Tanzânia, Sudão do Sul e a República Centro Africana completam o grupo de nações mais infelizes do que a Síria, onde a guerra, que dura há sete anos, já matou mais de 511 mil pessoas.

A Finlândia chega ao primeiro lugar depois de conquistado a nomeação para melhor governo, país mais estável e mais seguro. Pela primeira vez, as Nações Unidas avaliaram o nível de felicidade dos imigrantes. Também aqui, os finlandeses pontuaram mais alto.

Portugal subiu doze posições e passou do 89º lugar para 77º. O fim da crise e do programa de assistência são um dos motivos para essa subida, aponta o relatório.

O sucesso dos países nórdicos neste índice tem a ver com os rendimentos da população, esperança de vida saudável, apoio social, liberdade, confiança e generosidade.

Os EUA foram este ano, mais uma vez, alvo de um capítulo especial. Este ano, reflete sobre a crise na saúde e o paradoxo de Easterlin (fatores-chave para a felicidade, enunciados por Richard Easterlin, em 1974). No relatório, fica visível a queda dos EUA no ranking: de 14º lugar, em 2017, para 18.º, em 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?