Este é o país mais feliz do mundo

Países nórdicos ocupam os primeiros quatro lugares da tabela. Top 6 é inteiramente europeu. Portugal ocupa o lugar 77, depois de uma subida de 12 posições

A Finlândia é o país mais feliz do mundo, ultrapassando a Noruega no relatório da Felicidade Mundial, das Nações Unidas. Portugal sobre 12 lugares e está agora em 77 entre os 156 territórios.

Até ao sexto lugar só aparecem países europeus e do norte: Finlândia, Noruega, Dinamarca, Islândia, Suíça e Holanda. O Canadá é o primeiro não europeu a aparecer na lista das Nações Unidas. O país mais infeliz do mundo é o Burundi, a braços com uma guerra civil, limpezas étnicas e golpes de estado. Juntamente com o Ruanda, Iémen, Tanzânia, Sudão do Sul e a República Centro Africana completam o grupo de nações mais infelizes do que a Síria, onde a guerra, que dura há sete anos, já matou mais de 511 mil pessoas.

A Finlândia chega ao primeiro lugar depois de conquistado a nomeação para melhor governo, país mais estável e mais seguro. Pela primeira vez, as Nações Unidas avaliaram o nível de felicidade dos imigrantes. Também aqui, os finlandeses pontuaram mais alto.

Portugal subiu doze posições e passou do 89º lugar para 77º. O fim da crise e do programa de assistência são um dos motivos para essa subida, aponta o relatório.

O sucesso dos países nórdicos neste índice tem a ver com os rendimentos da população, esperança de vida saudável, apoio social, liberdade, confiança e generosidade.

Os EUA foram este ano, mais uma vez, alvo de um capítulo especial. Este ano, reflete sobre a crise na saúde e o paradoxo de Easterlin (fatores-chave para a felicidade, enunciados por Richard Easterlin, em 1974). No relatório, fica visível a queda dos EUA no ranking: de 14º lugar, em 2017, para 18.º, em 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.