Fim da ETA será anunciado no primeiro fim de semana de maio

A organização separatista basca ETA já tinha anunciado estar para breve a sua dissolução. Finalmente há data para o ato que lhe irá pôr fim: 5 ou 6 de maio

A organização separatista e terrorista ETA irá anunciar a sua dissolução no primeiro fim de semana de maio - dia 5 ou 6 - num ato a ser realizado no País Basco francês, conforme relatado pela televisão pública basca Euskal Telebista.

Segundo esta estação, antes do anúncio irá acontecer um evento, em Iparralde, no qual irão participar agentes políticos e sociais da região basca e personalidades internacionais.

Os detalhes do evento apenas vão ser anunciados na próxima segunda-feira, numa conferência de imprensa na qual vão participar membros do International Contact Group (GIC) do advogado sul-africano Brian Currin, de Bake Bidea e do Fórum Social.

A dissolução da ETA ocorre pouco mais de um ano depois do desarmamento da organização materializado por representantes da sociedade civil a 8 de abril do ano passado. Esta decisão surgiu sete anos após o grupo terrorista ter anunciado cessar em definitivo os atos de violência.

Recorde-se que no início deste mês, a ETA tinha anunciado que ia declarar de forma oficial a sua dissolução antes do verão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.