F-16 portugueses substituem espanhóis após míssil disparado por erro na Estónia

Caça espanhol disparou míssil por engano durante manobras de policiamento do espaço aéreo báltico no quadro da NATO. Portugal é o país que está no comando da Baltic Air Policing. Mandato começou em maio e termina a 31 de agosto. PM da Estónia quer explicações

F-16 portugueses que participam atualmente na missão de policiamento do espaço aéreo dos Bálticos no quadro da NATO assegurarão o lugar dos espanhóis em caso de necessidade depois de, na passada terça-feira, um Eurofighter da Força Aérea espanhola ter disparado por engano um míssil ar-ar de fabrico norte-americano. O incidente ocorreu numa zona reservada da Estónia, a cerca de 100 km da fronteira com a Rússia, tendo o Ministério da Defesa espanhol aberto uma investigação ao sucedido e o primeiro-ministro estónio, Jüri Ratas, pedido explicações à Aliança Atlântica.

A paragem temporária dos caça espanhóis foi avançada esta quarta-feira à noite por fontes da Aliança Atlântica ao jornal espanhol El País. Em declarações citadas pelo jornal estónio Postimees, o ministro da Defesa da Estónia, Jüri Liuk, disse que "até que a situação fique esclarecida, os caças espanhóis da missão de policiamento aéreo foram retirados do estado de prontidão e a missão prosseguirá com a unidade principal portuguesa". Liuk, segundo a mesma fonte, considerou o incidente como "extremamente raro e lamentável".

Portugal é o país que está atualmente no comando da Baltic Air Policing, com um mandato que começou em maio e termina a 31 de agosto, confirmou esta quinta-feira ao DN o porta-voz da Força Aérea Portuguesa o tenente-coronel Manuel Costa.

"Transmiti a Jens Stoltenberg que é um incidente grave e que estamos logicamente preocupados", afirmou na quarta-feira em comunicado Jüri Ratas, após uma conversa telefónica com o secretário-geral da NATO. Durante o contacto com Stoltenberg, o chefe do governo estónio lembrou que "felizmente ninguém ficou ferido" e pediu que as circunstâncias deste incidente sejam "esclarecidas sem demora". Ratas prosseguiu que "a missão da NATO contribui de forma importante na segurança da Estónia e de toda a Aliança [Atlântica]", referindo ainda ter tido garantidas por parte do secretário-geral da organização de que todos os aliados envolvidos nas manobras vão investigar o que aconteceu.

O disparo do caça espanhol ocorreu ao início da tarde de terça-feira durante um exercício em que também participavam Mirage franceses. Após o incidente, que não alcançou outras aeronaves nem provocou outros danos, os aviões, dois espanhóis e dois franceses, regressaram à base de Siauliai, na Lituânia, outra república báltica de onde tinham descolado inicialmente. As Forças Armadas estónias dizem que o míssil, com 25 Kg de carga explosiva e 100 km de alcance, tem um mecanismo que assegura a sua destruição no ar, mas mesmo assim não descartam que possa ter caído em terra e iniciaram, por isso, uma operação de busca pelo projétil.

A Força Aérea espanhola participa nesta missão da NATO de controlo do espaço aéreo dos países do Báltico, uma vez que estes carecem de aviões de combate e são incapazes de dissuadir eventuais incursões aéreas russas na região. A tensão entre os países da NATO e a Rússia têm vido a aumentar, nomeadamente desde a guerra na Ucrânia, tendo o primeiro-ministro russo avisado na terça-feira para possíveis consequências de uma adesão da Geórgia à Aliança Atlântica."Existe um conflito territorial por resolver... e esse país seria integrado numa aliança militar?", interrogou-se Dmitri Medvedev, em entrevista ao jornal russo Kommersant. E frisou: "Compreendem as possíveis implicações? Poderia originar um conflito horrível".

A Baltic Air Policing foi criada pela NATO em 2004 para monitorização do espaço aéreo da Estónia, Letónia e Lituânia. Portugal participa nela atualmente com quatro aeronaves F-16M e 90 militares, segundo comunicado no site do Estado Maior da Força Aérea, de quarta-feira dia 8. De acordo com o mesmo, no dia 2 deste mês partiu da Base Aérea N.º 5, em Monte Real, o último contingente de militares da Força Aérea Portuguesa para a Lituânia, no âmbito da Baltic Air Policing 2018 e também da Assurance Measures 2018. Nesta última, refere, participam uma aeronave P-3c CUO+ da Esquadra 601 Lobos e 30 militares.

O comandante dos destacamentos portugueses e representante máximo de todas as forças militares portuguesas na Estónia passou a ser o tenente-coronel Nuno Monteiro da Silva, refere o mesmo comunicado do EMFA, dadato deste dia 8. Um outro comunicado publicado a 2 de maio no site do Comando Aéreo da NATO, com base em Ramestein, na Alemanha, lembra que esta é a quarta participação de Portugal na Baltic Air Policing, depois das que o país, membro fundador da Aliança Atlântica, teve em 2007, 2014 e 2016.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.