Exército britânico pronto para cenário de não acordo sobre o brexit

Jornal Sunday Times diz que, no âmbito de planos de contingência que estão a ser preparados, militares britânicos poderão ser chamados a ajudar as autoridades civis a distribuir alimentos, medicamentos ou combustível em caso de perturbações causadas pela eventual ausência de um acordo sobre o brexit entre o Reino Unido e a União Europeia.

Num cenário de não acordo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) entre Londres e os restantes 27, os militares poderiam ser chamados a intervir, juntamente com as autoridades civis, para responder a eventuais problemas de escassez de alimentos, de medicamentos ou de combustíveis causados por perturbações nos portos britânicos.

Poderiam, nesse caso, ser utilizados veículos e helicópteros militares para fazer chegar esses bens a pessoas em zonas mais remotas e distantes que poderiam ter, por exemplo, dificuldade no acesso a medicamentos.

Na semana passada, Bruxelas pediu aos restantes Estados membros da UE que preparem planos de contingência em várias áreas, no caso de não haver acordo sobre a saída do Reino Unido da UE. Mas Londres também avisou, desde logo, que estava igualmente a preparar os seus próprios planos de contingência.

A data prevista para a saída dos britânicos do bloco europeu é 29 de março de 2019 e, até agora, as negociações pouco ou nada têm avançado em termos concretos e definitivos.

Em declarações àquele mesmo jornal, o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, acusou a UE de não estar de boa-fé nas negociações com o governo liderado por Theresa May.

"Espero que as negociações acabem bem para o lado do Reino Unido e sirvam de exemplo de como as pessoas estão acima da UE", declarou o também líder do partido nacionalista Liga, na entrevista publicada no Sunday Times.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.