Salvini diz que UE não está a negociar o brexit "de boa fé"

Em entrevista ao Sunday Times, o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini,critica abertamente Bruxelas

"Não há objetividade nem boa fé do lado da União Europeia", declarou Salvini, líder do partido nacionalista Liga, que governa em Itália fruto de um acordo e coligação com o eurocético Movimento 5 Estrelas.

As críticas a Bruxelas surgem dias depois de a Comissão Europeia ter alertado os restantes 27 membros da UE para prepararem planos de contingência em várias áreas para o caso de um não acordo sobre o brexit com o Reino Unido.

Segundo o Sunday Times, a cadeia de supermercados alemã ALDI, por exemplo, pediu aos retalhistas se seria possível armazenar stocks extra de alguns produtos, como chá e café, no âmbito desses planos de contingência.

"Espero que as negociações acabem bem para o lado do Reino Unido e sirvam de exemplo de como as pessoas estão acima da UE", declarou Salvini, na entrevista publicada este domingo por aquele jornal britânico.

O governante italiano, que se define como católico mas ficou, entre outras coisas, conhecido por rejeitar a entrada de embarcações com migrantes ilegais e refugiados no seu país, ataca ainda o Parlamento Europeu.

"O que a minha experiência me diz sobre o Parlamento Europeu é que ou te impões ou enganam-te", afirmou Salvini, que já foi eurodeputado em duas ocasiões, a primeira entre 2004 e 2006, a segunda entre 2009 e 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.