Etiópia. Pilotos seguiram recomendações da Boeing mas não conseguiram "evitar queda livre"

Relatório oficial divulgado esta quinta-feira de manhã garante que pilotos seguiram os procedimentos do fabricante, mas não conseguiram controlar a aeronave.

Os pilotos do Boeing 737 Max-8 das Linhas Aéreas da Etiópia que se despenhou a 10 de março seguiram "repetidamente" os procedimentos recomendados pelo fabricante norte-americano, segundo o primeiro relatório oficial sobre o acidente, não conseguindo "evitar a queda livre" da aeronave.

Este documento foi apresentado na manhã desta quinta-feira pelo ministro dos Transportes da Etiópia, Dagmawit Moges, que sublinhou não terem os pilotos "conseguido controlar a aeronave".

O avião caiu seis minutos depois da descolagem do aeroporto de Addis Abeba, tendo morrido as 157 pessoas que seguiam a bordo. Este foi o segundo acidente com um Boeing 737 Max em cinco meses. Em outubro do ano passado, o voo JT 610 da Lion Air tinha caído no mar perto da Indonésia tendo morrido 189 pessoas.

"A tripulação realizou todos os procedimentos repetidamente [que foram] fornecidos pelo fabricante, mas não foram capazes de controlar a aeronave", disse Moges na conferência de imprensa que teve lugar na capital da Etiópia.

Em comunicado, o presidente-executivo da Ethiopian Airlines, Tewolde GebreMariam, disse estar "muito orgulhoso" do "alto nível de desempenho profissional" dos pilotos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?