Encontrados restos mortais de 140 crianças. Corações foram removidos

Cadáveres pertenciam à civilização Chimú, que tal como os astecas e os maias sacrificava pessoas e animais

Foi encontrado o local onde decorreu o maior sacrifício em massa de crianças no continente americano - e provavelmente na história mundial - de acordo com revelações de uma equipa de arqueólogos à National Geographic. As ossadas de mais de 140 crianças foram descobertas na costa norte do Peru, com sinais evidentes de os seus corações tinham sido removidos.

Além das crianças, foram ainda sacrificados cerca de 200 lamas, também jovens, num ritual que tudo indica ter acontecido há 550 anos, num penhasco com vista para o Oceano Pacífico, numa zona conhecida por ser a capital do Império Chimú.

As investigações científicas envolveram uma equipa multidisciplinar, liderada por Gabriel Prieto, da Universidade Nacional de Trujillo, e por John Verano, da Universidade de Tulane, e ainda não estão concluídas. O trabalho é suportado pela ONG National Geographic Society.

Rituais de sacrifício humano eram comuns entre os povos astecas, maias e incas, mas nunca tinha sido encontrados vestígios de um sacrifício desta escala, principalmente envolvendo crianças.

Os restos mortais foram preservados em areia seca e num único dia os arqueólogos encontraram os cadáveres de 12 menores, algo que surpreendeu até investigadores experientes.

O local do sacrifício, formalmente conhecido como Huanchaquito-Las Llamas, está localizado num penhasco a apenas 300 metros do mar.

Huanchaquito-Las Llamas era já um local conhecido pelos investigadores. Em 2011 foram descobertos ali os restos mortais de 42 crianças e de 76 lamas. Gabriel Prieto estava a escavar um templo com 3.500 anos quando os moradores locais o alertaram para os restos humanos que estavam a surgir nas dunas. As escavações em Las Llamas terminaram em 2016 e o número de cadáveres encontrado foi retificado.

Muitas das crianças tinham os rostos manchados com um pigmento vermelho e os restos de esqueletos de crianças e animais mostram cortes no esterno e deslocamentos de costelas, que sugerem que os peitos das vítimas foram abertos e separados, talvez para facilitar a remoção do coração.

Os restos mortais de três adultos - um homem e duas mulheres - foram também encontrados nas proximidades e os investigadores suspeitam que tenham desempenhado um papel ativo no ritual, tendo sido mortos pouco tempo depois.

A civilização Chimu sacrificava pessoas e animais e tinha rituais semelhantes aos povos Azteca e Maya. Alguns rituais consistiam em sacrifícios aos deuses para parar a chuva.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.