Dupla moção de censura ao governo por causa de Benalla

Uma foi apresentada pela esquerda, outra pela direita. São as primeiras da era Macron, mas nenhuma tem hipótese de passar. Defesa do governo estará nas mãos do primeiro-ministro Édouard Philippe.

O governo francês enfrenta esta tarde duas moções de censura na Assembleia Nacional, as primeiras desde que Emmanuel Macron chegou ao Palácio do Eliseu. Esquerda e direita, em separado e em véspera das férias parlamentares, vão obrigar o primeiro-ministro Édouard Philippe a discutir o caso Benalla, depois de já terem com sucesso conseguido adiar as discussões sobre a reforma constitucional do presidente.

O deputado Christian Jacob, pelo partido Os Repúblicanos (direita), e o comunista André Chassaigne, em nome dos três partidos da esquerda (A França Insubmissa, o Partido Socialista e o Partido Comunista), vão apresentar as respetivas moções de censura a partir das 15.00 (14.00 em Lisboa).

Caberá a Philippe a defesa do governo, após dez dias de crise em torno do ex-conselheiro e segurança de Macron, Alexandre Benalla, filmado na manifestação do 1.º de Maio a agredir manifestantes.

"O essencial não é o caso em si, mas saber por que a prática do poder pelo presidente da República encoraja ou permite a impunidade de pessoas como Benalla", disse Chassaigne, citado pela agência AFP.

Segundo o Matignon, gabinete do primeiro-ministro, Philippe "responderá fatual e calmamente, sempre mantendo um discurso agressivo" aos deputados, " e será também oportunidade de sublinhar o vazio de algumas polémicas".

Ambas as moções não têm qualquer hipótese de ser aprovadas, já que só o La Repúblique en Marche!, de Macron, tem 312 deputados (em 577) e os seus aliados do Movimento Democrático têm mais 47. Se foram precisos apenas 58 deputados para pôr em marcha cada uma das moções de censura, são precisos os votos de 289 para as aprovar. Ora, Os Republicanos só têm 103 e os três partidos de esquerda a esquerda unida não vai além dos 63.

Cem moções de censura, só uma passou

Na história da V República, já houve mais de cem moções de censura - a última em 2016. Mas é preciso recuar até 1980 para encontrar uma dupla moção de censura analisada ao mesmo tempo, como agora.

Das cem, só uma resultou na queda do governo: a de 5 de outubro de 1962, que levou à demissão de Georges Pompidou. O alvo da moção era o presidente, o general Charles de Gaulle, e a sua reforma que abria caminho à eleição do chefe de Estado por sufrágio universal direto.

De Gaulle respondeu à moção dissolvendo a Assembleia Nacional e convocando eleições legislativas antecipadas (que se traduziram numa vitória gaulista). Em dezembro de 1965, os franceses acabariam por eleger por sufrágio universal direto De Gaulle para um novo mandato.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.