Dois portos franceses e três catalães disponíveis para acolher Aquarius. "É sobre salvar vidas"

Itália e Malta já negaram a entrada do navio humanitário e Espanha diz que atualmente "não é o porto mais perto e, portanto, o mais seguro". O autarca de Sète e as autoridades da Córsega, no Sul de França, já se mostraram disponíveis para acolher os 141 imigrantes. "Para que a honra da Europa seja preservada". Também a Catalunha está solidária com o Aquarius

Há quatro dias sem autorização para atracar, o navio Aquarius tem a bordo 141 imigrantes e já recebeu uma resposta negativa de Itália e Malta. Espanha argumenta que "não é o porto mais perto e, portanto, o mais seguro", afirmou fonte oficial do governo de Pedro Sánchez, segundo a agência francesa AFP. Mas Sète e Córsega, no Sul de França, já se disponibilizaram para acolher o navio humanitário gerido pelas organizações não-governamentais SOS Mediterrâneo e Médicos sem Fronteiras. A Catalunha segue o mesmo exemplo e oferece três portos.

"É sobre salvar vidas e não sobre política de imigração", justifica Jean-Claude Gayssot, o responsável pelo porto de Sète, em declarações à rádio Europe 1. Para o antigo ministro francês dos Transportes entre 1997 e 2002, a questão não pode ser económica nem política, porque, defende, o que importa é "a assistência a pessoas em perigo". Neste caso a imigrantes que foram resgatados na passada sexta-feira em frente à costa da Líbia.

Dos imigrantes que aguardam no Aquarius para desembarcar, a maioria (73) são menores de idade e 70% são naturais da Somália e da Eritreia, mas também há cidadãos do Bangladesh, Camarões, Gana, Costa do Marfim, Nigéria, Marrocos e Egito.

Apesar de ainda não ter contactado o governo de Emmanuel Macron, o diretor do porto de Sète garante ter condições para acolher os 141 imigrantes e questiona a passividade dos países europeus face a este novo impasse. Recorde-se que em junho Aquarius viveu uma situação idêntica. Na altura seguiam a bordo 629 imigrantes e Espanha deu autorização ao navio humanitário para atracar no porto de Valência.

"Da última vez, Espanha salvou a honra da Europa", considera Gayssot. "Estamos à espera de ver uma imagem como a daquela pobre criança?", questiona referindo a Aylan, o menino sírio, de três anos, que morreu afogado e cujo corpo foi encontrado numa praia da Turquia. Uma imagem que correu mundo.

Catalunha também está disponível para receber Aquarius

Com esta disponibilidade em ajudar os imigrantes a bordo do navio, Jean-Claude Gayssot pretende "encorajar as autoridades francesas a assumirem todas as suas responsabilidades". "Para que a honra da Europa, a honra da França, a honra da humanidade seja preservada", afirma.

Além de Sète, o porto de Córsega, também no sul de França, se disponibilizou a receber Aquarius. De acordo com o presidente da Assembleia de Córsega, há imigrantes a bordo do Aquarius doentes e que esta é uma situação urgente. "A Europa fracassou neste assunto e é a hora de todos assumirem as suas responsabilidades", argumenta, citado pelo jornal belga La Libre.

O presidente do governo Catalão, Quim Torra, também já assumiu a disponibilidade em acolher os 141 imigrantes. Através da rede oficial Twitter, o governante ofereceu esta terça-feira os portos que estão sob a alçada do governo da Catalunha. E são eles Palamós (Girona), Vilanova i la Geltrú (Barcelona) e Sant Carles de la Ràpita (Tarragona)

Navio sem bandeira de Gibraltar

Apesar destas duas soluções, o impasse mantém-se com a presidente da SOS Mediterrâneo, Sophie Beau, a apelar a todos os países europeus a "assumirem as suas responsabilidades".

Aliás, a ONG promove esta terça-feira uma conferência de imprensa, que surge depois de Gibraltar retirar a bandeira do navio Aquarius. O governo do território britânico justifica a decisão pelo facto da embarcação estar registada como "navio de busca" e não para operações de salvamento. A tomada de posição surge depois de uma primeira advertência para a suspensão das atividades de resgate de imigrantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.