Denver proíbe "conversão homossexual" em menores

Denver proibiu as terapias de "conversão gay" para menores de idade, tornando-se no primeiro município do Colorado a fazê-lo. Esta prática é proibida em nove estados norte-americanos.

O Conselho da Cidade de Denver votou esta semana, por unanimidade, a proibição de terapias de "conversão gay" para menores de idade.

"A votação desta noite [8 de janeiro de 2019] é a demonstração de que a cidade está unida e que diz, a uma só voz, que nunca permitiremos que nossos jovens LGBT voltem a ser alvos dessas práticas duvidosas e que estamos aqui para os apoiar", disse o presidente da autarquia, Michael Hancock, um dos proponentes da iniciativa.

A terapia de "conversão" é uma prática proibida em nove estados norte-americanos. Estão contra os procedimentos para mudar a orientação sexual de quem não é heterossexual. São baseadas "na falsa alegação de que ser LGBTQ+ é uma doença mental que precisa ser curada", refere a proposta aprovada, lembrando que tais práticas foram rejeitadas pela Associação Americana de Psiquiatria, bem como por especialistas em saúde mental e clínica. E, desde 1992, que a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade da lista de patologias.

O estado de Colorado tenta aprovar uma lei geral que proíba as terapias de "conversão sexual", mas as propostas foram chumbadas por quatro vezes. Os EUA, bem como o Canadá, Espanha e Austrália têm legislação diferente de região para região.

Malta (2016) foi o primeiro país europeu a proibir as terapias de "conversão homossexual" e, o ano passado, o Reino Unido anunciou um plano que prevê a criação de legislação com idêntico propósito. Também a Argentina, China e Taiwan proíbem essas práticas.

Em Portugal, o termo norte-americano LGBTQ é designado LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexo). Não há legislação nacional sobre este tipo de terapias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.