Seul desliga altifalantes com propaganda voltados para Coreia do Norte

O Ministério da Defesa da Coreia do Sul desativou as transmissões por altifalantes para criar um ambiente mais pacífico quatro dias antes da reunião entre os líderes dos dois países

As autoridades sul-coreanas suspenderam hoje as emissões de propaganda anti-Coreia do Norte junto à fronteira, quatro dias antes da reunião histórica entre os líderes dos dois países.

O Ministério da Defesa da Coreia do Sul indicou que foram desativadas as transmissões por altifalantes para criar um ambiente mais pacífico e reduzir as tensões militares.

Na próxima sexta-feira, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, vão reunir-se na parte sul-coreana da zona desmilitarizada, na fronteira entre os dois países

Não há informações sobre o cancelamento das emissões norte-coreanas.

Desde 2016 que os sul-coreanos transmitem propaganda contra Pyongyang, como resposta aos testes nucleares feitos pela Coreia do Norte.

Na próxima sexta-feira, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, vão reunir-se na parte sul-coreana da zona desmilitarizada, na fronteira entre os dois países.

Kim vai ser o primeiro dirigente norte-coreano a pisar solo da Coreia do Sul desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53). As duas anteriores cimeiras intercoreanas, em 2000 e 2007, decorreram em Pyonyang.

Na sexta-feira à noite, a Coreia do Norte anunciou que suspendeu os testes nucleares e o lançamento de mísseis de longo alcance e que tem planos para encerrar as instalações de testes nucleares.

A reunião dos líderes da península coreana vai anteceder o encontro histórico entre Kim e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, previsto para final de maio ou início de junho

A agência de notícias oficial da Coreia do Norte, KCNA, adiantou que a suspensão dos testes nucleares tinha efeito a partir de sábado.

A reunião dos líderes da península coreana vai anteceder o encontro histórico entre Kim e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, previsto para final de maio ou início de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.