Pyongyang celebra com fogo de artifício lançamento do último míssil

Milhares de cidadãos juntaram-se na sexta-feira na praça Kim Il-sung e junto ao rio Taedong para assistir ao ato de celebração pelo lançamento da semana passada

O regime norte-coreano celebrou com fogo de artifício o lançamento do seu último míssil balístico intercontinental (ICBM) na semana passada, informaram hoje os meios de comunicação estatais.

Milhares de cidadãos juntaram-se na sexta-feira na praça Kim Il-sung e junto ao rio Taedong para assistir ao ato de celebração pelo lançamento que, segundo o regime, revelou a "força nuclear estatal", indicou a agência KCNA.

Durante os discursos na cerimónia, foi elogiado o facto de este novo míssil, o Hwasong-15, ter reforçado a posição estratégica do país.

"Ninguém pode violar o nosso direito à soberania, à sobrevivência e ao desenvolvimento, dado que completámos a nossa força nuclear estatal", disse um dos vice-presidentes do comité central do Partido dos Trabalhadores, Pak Kwang-ho citado pelo diário Rodong.

Na passada quarta-feira, Pyongyang lançou o seu ICBM mais sofisticado até à data, e deu um passo significativo na direção da sua meta de obter armas capazes de realizar um ataque nuclear aos Estados Unidos.

O Hwasong-15 alcançou quase 4.500 quilómetros de altura, o máximo alguma vez conseguido por um projétil norte-coreano, antes de cair do Mar do Japão, conhecido como Mar do Leste pelas Coreias.

Os serviços de inteligência e especialistas consideram que, equipado com uma arma nuclear, o Hwasong-15 poderá alcançar território norte-americano, ainda que persistam dúvidas sobre se Pyongyang conseguiu desenvolver um míssil que não se desintegre ao reentrar na atmosfera, e que o seu sistema de orientação consigue alcançar um alvo com precisão.

A maioria dos analistas considera que o regime precisa apenas de cerca de um ano para obter armas realmente viáveis.

O teste de quarta-feira foi o 20.º com mísseis pela Coreia do Norte em 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.