Pyongyang celebra com fogo de artifício lançamento do último míssil

Milhares de cidadãos juntaram-se na sexta-feira na praça Kim Il-sung e junto ao rio Taedong para assistir ao ato de celebração pelo lançamento da semana passada

O regime norte-coreano celebrou com fogo de artifício o lançamento do seu último míssil balístico intercontinental (ICBM) na semana passada, informaram hoje os meios de comunicação estatais.

Milhares de cidadãos juntaram-se na sexta-feira na praça Kim Il-sung e junto ao rio Taedong para assistir ao ato de celebração pelo lançamento que, segundo o regime, revelou a "força nuclear estatal", indicou a agência KCNA.

Durante os discursos na cerimónia, foi elogiado o facto de este novo míssil, o Hwasong-15, ter reforçado a posição estratégica do país.

"Ninguém pode violar o nosso direito à soberania, à sobrevivência e ao desenvolvimento, dado que completámos a nossa força nuclear estatal", disse um dos vice-presidentes do comité central do Partido dos Trabalhadores, Pak Kwang-ho citado pelo diário Rodong.

Na passada quarta-feira, Pyongyang lançou o seu ICBM mais sofisticado até à data, e deu um passo significativo na direção da sua meta de obter armas capazes de realizar um ataque nuclear aos Estados Unidos.

O Hwasong-15 alcançou quase 4.500 quilómetros de altura, o máximo alguma vez conseguido por um projétil norte-coreano, antes de cair do Mar do Japão, conhecido como Mar do Leste pelas Coreias.

Os serviços de inteligência e especialistas consideram que, equipado com uma arma nuclear, o Hwasong-15 poderá alcançar território norte-americano, ainda que persistam dúvidas sobre se Pyongyang conseguiu desenvolver um míssil que não se desintegre ao reentrar na atmosfera, e que o seu sistema de orientação consigue alcançar um alvo com precisão.

A maioria dos analistas considera que o regime precisa apenas de cerca de um ano para obter armas realmente viáveis.

O teste de quarta-feira foi o 20.º com mísseis pela Coreia do Norte em 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.