Coreia do Norte acusa Guterres de ser um subordinado dos EUA

A Missão da Coreia do Norte pediu ao secretário-geral das Nações Unidas para "refrear o seu comportamento"

A Coreia do Norte criticou hoje o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, por apoiar sanções para pressionar o país a entrar em negociações com os Estados Unidos sobre a desnuclearização, referindo que tem atuado como um subordinado.

A Missão da Coreia do Norte nas Nações Unidas referiu, numa declaração, que não haveria problema nuclear na península coreana se não houvesse uma "política hostil" dos Estados Unidos e se não existisse "chantagem ou ameaças nucleares".

A missão considerou que as declarações de António Guterres na Conferência de Segurança de Munique, em 16 de fevereiro, foram "imprudentes" e com uma "mentalidade inflexível baseada em preconceito extremo sem qualquer consideração de imparcialidade".

"Não disse uma única palavra contra os Estados Unidos, que são os principais culpados por todo o agravamento da situação atual", referem, considerando António Guterres com um subordinado dos Estados Unidos.

O secretário geral das Nações Unidas disse que, pela primeira vez desde a Guerra Fria, o mundo enfrenta a "ameaça de um conflito nuclear".

António Guterres afirmou que as sanções sucessivamente mais duras impostas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas para pressionar a Coreia do Norte são "absolutamente essenciais de ser mantidas".

"Mesmo que as relações entre as duas Coreias tenham melhorado, vamos ser claros, essa não é a questão central que estamos a enfrentar. A questão central continua a ser a questão da desnuclearização", disse.

A Missão da Coreia do Norte pediu a Guterres para "refrear o seu comportamento" e entender que a ameaça nuclear é dos EUA, que está a desenvolver armas nucleares mais sofisticadas e relatou a "sua ambição para ataques nucleares preventivos" contra o Norte.

"Se António Guterres realmente quiser resolver o problema nuclear na península coreana, deve apelar ao Conselho de Segurança para promover o melhoramento das relações inter-coreanas e desencorajar os países vizinhos de perturbar o processo", conclui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.