Maioria quer acabar com a mudança da hora na UE

4,6 milhões de pessoas votaram a favor do fim da mudança da hora numa consulta pública lançada pela Comissão Europeia

80% dos 4,6 milhões de pessoas que votaram na consulta pública da Comissão Europeia sobre a mudança da hora na UE manifestaram-se a favor do fim da mesma, avançou o jornal alemão Westfalenpost, citado pelo site Politico.eu e pelo El País.

A consulta esteve aberta a votação, entre os dias 4 de julho e 16 e agosto, tendo o site da Comissão destinado para o efeito chegado a ter problemas técnicos. Dos 4,6 milhões que votaram, disseram fontes comunitárias citadas pelo jornal alemão, três milhões são da Alemanha. Atualmente, a UE tem 28 Estados membros e uma população que soma 511,8 milhões de pessoas.

A Comissão, presidida por Jean-Claude Juncker, lançou esta consulta - sem valor vinculativo - a pedido do Parlamento Europeu. Os eurodeputados decidiram lançar o debate sobre o tema da mudança da hora, motivo de forte discussão, por não ser consensual.

Motivos relacionados com a saúde, nomeadamente por causa de alterações no sono, são dos mais apresentados pelos críticos da medida, sobretudo nos países do Norte da Europa como, por exemplo, Finlândia e Lituânia.

A Comissão está agora a discutir os resultados da consulta e, qualquer alteração às regras atuais, necessitaria sempre de consenso com o Parlamento Europeu e com os Estados membros. Estes, como sempre, são quem tem a última palavra.

A mudança da hora foi lançada por motivos de poupança de energia ainda durante a I Guerra Mundial em 1916. Na altura era o carvão. Foram sobretudo problemas relacionados com os esforços de guerra que levaram a Alemanha a avançar. Portugal incorporou desde logo a mudança, que se espalhou por toda a Europa e permitiu agilizar as relações com entre os países.

Até à década de 1990, Portugal saía da hora de verão em setembro, mas desde que houve a harmonização a nível da UE, em 2002, as mudanças são sempre nos últimos domingos de março e de outubro. No primeiro caso os ponteiros do relógio adiantam uma hora. No segundo atrasam.

Na UE existem atualmente três fusos horários diferentes. Há o da Europa Ocidental, no qual se incluem Portugal, Irlanda e Reino Unido. Há o da Europa Central, que se aplica em 17 países, como Áustria, Bélgica, Croácia, República Checa, Dinamarca, França, Alemanha, Hungria, Itália, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polónia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha e Suécia. E há o da Europa de Leste, onde se incluem oito países, Bulgária, Chipre, Estónia, Finlândia, Grécia, Letónia, Lituânia e Roménia.

Estudos feitos pela Comissão Europeia, citados pelo El País, indicam que a poupança de energia conseguida pela alteração da hora no verão se situa entre 0,5% e 2,5%, ou seja, é residual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.