Maioria quer acabar com a mudança da hora na UE

4,6 milhões de pessoas votaram a favor do fim da mudança da hora numa consulta pública lançada pela Comissão Europeia

80% dos 4,6 milhões de pessoas que votaram na consulta pública da Comissão Europeia sobre a mudança da hora na UE manifestaram-se a favor do fim da mesma, avançou o jornal alemão Westfalenpost, citado pelo site Politico.eu e pelo El País.

A consulta esteve aberta a votação, entre os dias 4 de julho e 16 e agosto, tendo o site da Comissão destinado para o efeito chegado a ter problemas técnicos. Dos 4,6 milhões que votaram, disseram fontes comunitárias citadas pelo jornal alemão, três milhões são da Alemanha. Atualmente, a UE tem 28 Estados membros e uma população que soma 511,8 milhões de pessoas.

A Comissão, presidida por Jean-Claude Juncker, lançou esta consulta - sem valor vinculativo - a pedido do Parlamento Europeu. Os eurodeputados decidiram lançar o debate sobre o tema da mudança da hora, motivo de forte discussão, por não ser consensual.

Motivos relacionados com a saúde, nomeadamente por causa de alterações no sono, são dos mais apresentados pelos críticos da medida, sobretudo nos países do Norte da Europa como, por exemplo, Finlândia e Lituânia.

A Comissão está agora a discutir os resultados da consulta e, qualquer alteração às regras atuais, necessitaria sempre de consenso com o Parlamento Europeu e com os Estados membros. Estes, como sempre, são quem tem a última palavra.

A mudança da hora foi lançada por motivos de poupança de energia ainda durante a I Guerra Mundial em 1916. Na altura era o carvão. Foram sobretudo problemas relacionados com os esforços de guerra que levaram a Alemanha a avançar. Portugal incorporou desde logo a mudança, que se espalhou por toda a Europa e permitiu agilizar as relações com entre os países.

Até à década de 1990, Portugal saía da hora de verão em setembro, mas desde que houve a harmonização a nível da UE, em 2002, as mudanças são sempre nos últimos domingos de março e de outubro. No primeiro caso os ponteiros do relógio adiantam uma hora. No segundo atrasam.

Na UE existem atualmente três fusos horários diferentes. Há o da Europa Ocidental, no qual se incluem Portugal, Irlanda e Reino Unido. Há o da Europa Central, que se aplica em 17 países, como Áustria, Bélgica, Croácia, República Checa, Dinamarca, França, Alemanha, Hungria, Itália, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polónia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha e Suécia. E há o da Europa de Leste, onde se incluem oito países, Bulgária, Chipre, Estónia, Finlândia, Grécia, Letónia, Lituânia e Roménia.

Estudos feitos pela Comissão Europeia, citados pelo El País, indicam que a poupança de energia conseguida pela alteração da hora no verão se situa entre 0,5% e 2,5%, ou seja, é residual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.