Maioria quer acabar com a mudança da hora na UE

4,6 milhões de pessoas votaram a favor do fim da mudança da hora numa consulta pública lançada pela Comissão Europeia

80% dos 4,6 milhões de pessoas que votaram na consulta pública da Comissão Europeia sobre a mudança da hora na UE manifestaram-se a favor do fim da mesma, avançou o jornal alemão Westfalenpost, citado pelo site Politico.eu e pelo El País.

A consulta esteve aberta a votação, entre os dias 4 de julho e 16 e agosto, tendo o site da Comissão destinado para o efeito chegado a ter problemas técnicos. Dos 4,6 milhões que votaram, disseram fontes comunitárias citadas pelo jornal alemão, três milhões são da Alemanha. Atualmente, a UE tem 28 Estados membros e uma população que soma 511,8 milhões de pessoas.

A Comissão, presidida por Jean-Claude Juncker, lançou esta consulta - sem valor vinculativo - a pedido do Parlamento Europeu. Os eurodeputados decidiram lançar o debate sobre o tema da mudança da hora, motivo de forte discussão, por não ser consensual.

Motivos relacionados com a saúde, nomeadamente por causa de alterações no sono, são dos mais apresentados pelos críticos da medida, sobretudo nos países do Norte da Europa como, por exemplo, Finlândia e Lituânia.

A Comissão está agora a discutir os resultados da consulta e, qualquer alteração às regras atuais, necessitaria sempre de consenso com o Parlamento Europeu e com os Estados membros. Estes, como sempre, são quem tem a última palavra.

A mudança da hora foi lançada por motivos de poupança de energia ainda durante a I Guerra Mundial em 1916. Na altura era o carvão. Foram sobretudo problemas relacionados com os esforços de guerra que levaram a Alemanha a avançar. Portugal incorporou desde logo a mudança, que se espalhou por toda a Europa e permitiu agilizar as relações com entre os países.

Até à década de 1990, Portugal saía da hora de verão em setembro, mas desde que houve a harmonização a nível da UE, em 2002, as mudanças são sempre nos últimos domingos de março e de outubro. No primeiro caso os ponteiros do relógio adiantam uma hora. No segundo atrasam.

Na UE existem atualmente três fusos horários diferentes. Há o da Europa Ocidental, no qual se incluem Portugal, Irlanda e Reino Unido. Há o da Europa Central, que se aplica em 17 países, como Áustria, Bélgica, Croácia, República Checa, Dinamarca, França, Alemanha, Hungria, Itália, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polónia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha e Suécia. E há o da Europa de Leste, onde se incluem oito países, Bulgária, Chipre, Estónia, Finlândia, Grécia, Letónia, Lituânia e Roménia.

Estudos feitos pela Comissão Europeia, citados pelo El País, indicam que a poupança de energia conseguida pela alteração da hora no verão se situa entre 0,5% e 2,5%, ou seja, é residual.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.