Confissões forçadas na TV como propaganda

Relatório de ONG revela como as confissões de detidos transmitidas pela TV são encenadas. Desde 2013, pelo menos 45 pessoas foram forçadas a fazer depoimentos. Uma prática usada como propaganda

A Organização Não Governamental (ONG) Safeguard Defenders divulgou um relatório no qual expõe como são feitas as confissões forçadas de detidos transmitidas pela televisão chinesa.

A ONG, que atua na Ásia, apela à comunidade internacional para pressionar a China a abandonar esta prática. Recomenda sanções, nomeadamente aos administradores da estação pública chinesa, bem como proibições de viagens e congelamento de contas.

No relatório de 106 páginas, a ONG relata pormenores de como as confissões forçadas foram realizadas, através de entrevistas a membros da família dos detidos e depoimentos na primeira pessoa. A polícia escreve os guiões e dirige as filmagens, usada como propaganda da China, refere o trabalho da Safeguard Defenders, intitulado "Scripted and Staged: Behind the scenes of China"s forced TV confessions"

No documento, foram analisados 45 casos de pessoas que foram obrigadas a testemunhar para uma câmara de televisão.

Nos relatos recolhidos, os detidos contam que são vestidos pelos agentes da autoridade, recebem textos escritos que têm de memorizar e até recebem indicações como dizer certas frases ou mesmo chorar. Por vezes, têm de repetir porque o polícia não ficou satisfeito com a filmagem.

De acordo com o relatório, as confissões forçadas são feitas antes dos julgamentos e muitas vezes antes da detenção formal. Ameaças, tortura e medo estão base destes depoimentos filmados, conta a ONG. "Regularmente a polícia usa ameaças (contra os detidos, mas também a membros da sua família), tortura física e mental para produzir um sentimento de medo e coagir a pessoa a confessar", refere o documento.

"Em muitos casos, os meios de comunicação que transmitem estas confissões, participaram no processo ao usar o guião de perguntas da polícia, ao produzir um sofisticado pacote de notícias com gráficos, entrevistas à polícia, a opinião de comentadores que dão o suspeito como culpado quando nem sequer foi acusado de um crime", relata a ONG.

Ativistas pelos direitos humanos e jornalistas independentes estão entre as pessoas obrigadas a confessar perante uma câmara de televisão.

O sueco Peter Dahlin, ativista dos direitos humanos, é um dos casos descritos no "Scripted and Staged: Behind the scenes of China"s forced TV confessions". Foi forçado a gravar um depoimento em que disse que tinha violado a lei chinesa. "Isto não é simplesmente feito pela polícia com o objetivo de fazer propaganda obscura, mas sim feito diretamente pelo Estado como parte da política externa", disse.

"Disseram que a minha atitude era decisiva para que o meu filho fosse salvo. Não sabia o que sentir. Perguntei o que podia fazer para o salvar. Disseram que devia fazer um vídeo para demonstrar a minha boa atitude", relata a advogada de direitos humanos Wang Yu, que, segundo o relatório, foi coagida pelas autoridades a fazer uma confissão filmada.

"Ameaçaram que se eu não cooperasse com eles iria ser condenada a uma pena de prisão, perdia o meu emprego, a minha família e a minha reputação para o resto da minha vida", recorda uma pessoa citada no relatório como Li. "Tinha apenas 39 anos, o meu cabelo ficou branco com a enorme pressão e a tortura daquilo tudo", acrescentou.

Com estes testemunhos e as provas recolhidas, a ONG Safeguard Defenders pretende denunciar o que está a acontecer na China e pressionar a comunidade internacional a agir.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.