Colômbia quer que Espanha devolva tesouro oferecido há 125 anos

A coleção de 122 peças de ouro foi comprada a um caçador de tesouros de sepulturas indígenas para ser exposta em Madrid em 1892

A Colômbia quer recuperar um tesouro que foi levado em 1892 para Espanha. O tribunal constitucional do país decidiu que o Governo deve pedir, através da Unesco, que Madrid devolva as 122 peças de ouro, uma coleção de antiguidades quimbayas que foi oferecido à rainha María Cristina de Habsburgo-Lorena.

O tesouro está atualmente exposto no Museu da América em Madrid. Mas o caso arrasta-se na justiça desde 2006: nesse ano o advogado Felipe Rincón levou o caso a tribunal argumentando que o presente foi dado pelo então presidente Carlos Holguín de forma ilegal. Em 2009, um juiz decidiu a favor de Felipe Rincón, mas em 2011 a decisão foi revogada.

O argumento do advogado é que o tesouro foi oferecido pelo presidente sem permissão do Congresso e que faz parte da herança cultural do país. Rincón insistiu e agora a decisão ficou nas mãos do tribunal constitucional. E depois de meses a analisar a questão, nomeadamente a posição do Governo e da Presidência, de que a entrega do tesouro cumpriu os preceitos da época, o tribunal decidiu, com cinco votos contra um, que o património cultural não pode ser alienado e por isso as 122 peças de ouro devem ser devolvidas.

Segundo Rincón, a coleção de 122 peças de ouro foi comprada na altura a um caçador de tesouros de sepulturas indígenas para ser exposta em Madrid em 1892, nas comemorações do quarto centenário do descobrimento da América, sendo que no final seria devolvida. No ano seguinte o presidente Holguín decidiu doá-la à Espanha como agradecimento à rainha pela intervenção numa disputa de fronteiras entre a Venezuela e a Colômbia.

Depois de 125 anos, a Colômbia vai agora pedir a Espanha a devolução do tesouro, através do tratado de repatriação de bens da Unesco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.