"Colete amarelo" lusodescendente perdeu visão de um olho. "Macron, a justiça vai fazer-te pagar"

"Macron, vais pagar!" No Facebook, Jérome Rodrigues anunciou que perdeu mesmo a visão do olho direito, em resultado de confrontos com a polícia.

"Acabo de sair de uma consulta com o médico. Ele disse-me que não voltarei a ver, acabou-se. Não há nada a fazer".

Falando à France Info, o lusodescendente Jérome Rodrigues, uma das figuras mais mediáticas nos "coletes amarelos", confirmou assim ter perdido a vista no olho direito. Algo que resultou de confrontos com a polícia numa das inúmeras manifestações em que participou.

Ao todo, os confrontos dos "coletes amarelos" com as autoridades terão resultado em onze mortes e mais de 1700 feridos, sendo o lusodescendente um deles. Nas forças de segurança ter-se-ão registado cerca de mil feridos.

Na sua página pessoal no Facebook, Jérome Rodrigues deixou a promessa ao Presidente francês: "Macron, a justiça vai fazer-te pagar! Por mim e por todos os outros feridos. Não descansarei!"

Jérome Rodrigues foi ferido em Paris, em 26 de janeiro, durante confrontos entre "coletes amarelos" e forças de segurança.

A polícia francesa tem sido acusada de usar armas "com risco desproporcionado" e força excessiva contra os manifestantes. "O uso de balas de borracha, granadas sting-ball e gás lacrimogéneo contra protestos sobretudo pacíficos que não ameaçam a ordem pública tem sido documentado, evidenciando o uso de força excessiva pela polícia", refere um comunicado da Amnistia Internacional. "Testemunhos de vítimas e de testemunhas oculares e vídeos analisados pela Amnistia Internacional demonstram que a polícia usou balas de borracha, disparando sobre multidões, de forma imprópria. Lançaram também granadas sting-ball, que nunca devem ser usadas em situações de controlo de ordem pública."

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.