"Colete amarelo" lusodescendente perdeu visão de um olho. "Macron, a justiça vai fazer-te pagar"

"Macron, vais pagar!" No Facebook, Jérome Rodrigues anunciou que perdeu mesmo a visão do olho direito, em resultado de confrontos com a polícia.

"Acabo de sair de uma consulta com o médico. Ele disse-me que não voltarei a ver, acabou-se. Não há nada a fazer".

Falando à France Info, o lusodescendente Jérome Rodrigues, uma das figuras mais mediáticas nos "coletes amarelos", confirmou assim ter perdido a vista no olho direito. Algo que resultou de confrontos com a polícia numa das inúmeras manifestações em que participou.

Ao todo, os confrontos dos "coletes amarelos" com as autoridades terão resultado em onze mortes e mais de 1700 feridos, sendo o lusodescendente um deles. Nas forças de segurança ter-se-ão registado cerca de mil feridos.

Na sua página pessoal no Facebook, Jérome Rodrigues deixou a promessa ao Presidente francês: "Macron, a justiça vai fazer-te pagar! Por mim e por todos os outros feridos. Não descansarei!"

Jérome Rodrigues foi ferido em Paris, em 26 de janeiro, durante confrontos entre "coletes amarelos" e forças de segurança.

A polícia francesa tem sido acusada de usar armas "com risco desproporcionado" e força excessiva contra os manifestantes. "O uso de balas de borracha, granadas sting-ball e gás lacrimogéneo contra protestos sobretudo pacíficos que não ameaçam a ordem pública tem sido documentado, evidenciando o uso de força excessiva pela polícia", refere um comunicado da Amnistia Internacional. "Testemunhos de vítimas e de testemunhas oculares e vídeos analisados pela Amnistia Internacional demonstram que a polícia usou balas de borracha, disparando sobre multidões, de forma imprópria. Lançaram também granadas sting-ball, que nunca devem ser usadas em situações de controlo de ordem pública."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.