Cinco mortos em novo ataque em Cabo Delgado

Aldeia foi queimada esta noite em mais um de uma série de ataques levados a cabo por grupos extremists que têm avançado no Norte de Moçambique

A povoação de Namaluco, em Macomia, Cabo Delgado, foi esta noite palco de novo ataque dos terroristas islâmicos. Informações preliminares apontam para cinco civis mortos num cenário de terror que acabou com a povoação.

O ataque ocorreu por volta das 21.00 locais e fez ainda vários feridos, dois deles em estado grave, além de 200 casas queimadas na aldeia onde vivem cerca de 1500 pessoas. As chamas seriam visíveis da ilha do Ibo, para onde muitos dos sobreviventes dos ataques que se têm repetido nos últimos dias estão a fugir.

De acordo com o relato da Lusa, os habitantes dizem ter ouvido os atacantes a gritar ordens em suali, língua usual na Tanzânia, e noutros idiomas que não reconheceram, enquanto desferiam golpes de catana e disparavam armas de fogo.

A vila de Mocímboa da Praia e aldeias do meio rural da província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, têm sido alvo de ataques de grupos armados desde outubro de 2017, que se intensificaram nos últimos tempos causando um número indeterminado de mortes e deslocados. Ainda neste domingo, dez pessoas foram decapitadas, depois de intercetadas em duas aldeias.

Um estudo divulgado na última semana, em Maputo, aponta a existência de redes de comércio ilegal na região e a movimentação de grupos radicais islâmicos, oriundos de países a norte, como algumas das raízes da violência. Diversos investimentos estão a avançar na província para exploração de gás natural dentro de cinco a seis anos, no mar e em terra, com o envolvimento de algumas das grandes petrolíferas mundiais.

A situação já levou o Consulado Geral de Portugal em Maputo a emitir uma circular em que aconselha cautelas adicionais a quem viaje para o norte de Moçambique, depois dos ataques de grupos armados naquela área. "Devido à situação de insegurança em várias localidades da província de Cabo Delgado, aconselham-se cautelas adicionais antes de viajar para aquela região", refere a mensagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...