Ciberataque atinge vários jornais norte-americanos

A impressão e distribuição de vários jornais norte-americanos foi perturbada no sábado por um ciberataque, noticiou a imprensa daquele país.

Los Angeles Times, Chicago Tribune e Baltimore Sun (estes dois últimospertencentes ao grupo Tribune Publishing). Todos eles foram vítimas, sábado, de um ciberataque que lhes atrasou a impressão e a distribuição.

A Tribune Publising revelou que começou a perceber que algo estava mal na sexta-feira. O ataque atingiu uma gráfica onde todos estes jornais são impressos. As edições da costa oeste do Wall Street Journal e do New York Times, que também partilham em Los Angeles a mesma plataforma de produção, foram também atingidas.

Uma fonte bem informada do Los Angeles Times disse acreditar que o ataque teve origem fora dos EUA. "Acreditamos que a intenção do ataque foi desativar a infraestrutura, especificamente servidores, mais do procurar roubar informação."

Marisa Kollias, porta-voz da Tribune Publising, confirmou que o vírus informático atingiu sistemas de back-office usados para a produção de jornais propriedade do grupo.

Este inclui ainda títulos como o New York Daily News, o Orlando Sentinel e o Capital-Gazett, de Annapolis (cuja redação foi vítima em junho passado de um ataque por um atirador solitário que fez cinco mortos).

Uma outra publicação, o Fort Lauderdale Sun-Sentinel, também foi vítima de um vírus informático que lhe mandou abaixo a produção e as linhas telefónicas.

"Estamos informados sobre notícias de um possível ciberataque a vários órgãos de comunicação social e estamos a trabalhar com o governo e com os nossos parceiros industriais para perceber melhor a situação, disse uma fonte do Departamento de Segurança Interna. O FBI não fez qualquer comentário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.