China prendeu 26 suspeitos e recuperou quase 650 relíquias culturais roubadas em túmulos

Muitos dos bens recuperados são de "tremendo valor histórico", pois mostram interações culturais entre o Oriente e o Ocidente durante o período inicial da dinastia Tang.

A China prendeu 26 suspeitos e recuperou quase 650 relíquias culturais roubadas de um antigo cemitério na província de Qinghai. Segundo o ministério da segurança pública chinês, citado agência de notícias oficial do país, Xinhua, os especialistas acreditam que muitos dos bens recuperados são de "tremendo valor histórico", pois mostram interações culturais entre o Oriente e o Ocidente durante o período inicial da dinastia Tang.

As autoridades chineses creditam que os suspeitos escavaram ilegalmente as tumbas de Dulan, que ficam ao longo da antiga Rota da Seda, e depois organizaram a venda das relíquias.

Os alegados criminosos, dois dos quais estavam na lista de "mais procurados" da polícia, estavam a pedir até 80 milhões de iuanes (10, 1 milhões de euros) pelos bens saqueados saqueados.

Dos 646 itens recuperados, 16 foram classificados como relíquias culturais de primeira, de acordo com o comunicado do ministério.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.