China prendeu 26 suspeitos e recuperou quase 650 relíquias culturais roubadas em túmulos

Muitos dos bens recuperados são de "tremendo valor histórico", pois mostram interações culturais entre o Oriente e o Ocidente durante o período inicial da dinastia Tang.

A China prendeu 26 suspeitos e recuperou quase 650 relíquias culturais roubadas de um antigo cemitério na província de Qinghai. Segundo o ministério da segurança pública chinês, citado agência de notícias oficial do país, Xinhua, os especialistas acreditam que muitos dos bens recuperados são de "tremendo valor histórico", pois mostram interações culturais entre o Oriente e o Ocidente durante o período inicial da dinastia Tang.

As autoridades chineses creditam que os suspeitos escavaram ilegalmente as tumbas de Dulan, que ficam ao longo da antiga Rota da Seda, e depois organizaram a venda das relíquias.

Os alegados criminosos, dois dos quais estavam na lista de "mais procurados" da polícia, estavam a pedir até 80 milhões de iuanes (10, 1 milhões de euros) pelos bens saqueados saqueados.

Dos 646 itens recuperados, 16 foram classificados como relíquias culturais de primeira, de acordo com o comunicado do ministério.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.