Trump volta a permitir atualizações da Google em telemóveis da Huawei

Os presidentes dos EUA e da China concordaram que vão voltar às negociações económicas e comerciais para travar a guerra de tarifas entre as duas maiores potências mundiais.

EUA e China chegaram a acordo para uma trégua na sua guerra comercial.

A agência de notícias oficial chinesa, Xinhua, anunciou que os Estados Unidos comprometeram-se a trabalhar com base na igualdade e no respeito mútuo, a não imporem novas tarifas às exportações chinesas e que as respetivas equipas vão discutir "questões específicas", depois do fim abrupto das negociações em maio, em plena guerra comercial entre os dois países.

Xi Jinping e Donald Trump reuniram-se à margem da cimeira do G20 em Osaka, no Japão, na qual estão reunidos os líderes das maiores economias mundiais. A guerra comercial entre os dois países tem sido um tema incontornável.

O presidente dos Estados Unidos afirmou que a reunião entre os dois correu "muito bem" e que as negociações "estão de volta ao caminho certo".

Antes da reunião, Xi disse que, apesar das grandes mudanças que ocorreram na situação internacional e nas relações entre Pequim e Washington, durante os últimos 40 anos há "um fator básico que permanece inalterado: a China e os Estados Unidos beneficiam da cooperação e perdem no confronto".

"A cooperação e o diálogo são melhores do que atritos e confrontos", disse Xi a Trump.

O presidente americano anunciou ainda que a Casa Branca vai permitir que as empresas norte-americanas vendam produtos à Huawei. "Nós concordamos que as empresas norte-americanas podem vender produtos para a Huawei", afirmou Trump, que participou na Cimeira do G20, na cidade japonesa de Osaka. Assim, pelo menos durante a trégua, os telemóveis da Huawei já podem ter acesso às atualizações da Google, entre outras empresas.

O presidente americano prometeu também não aumentar os direitos alfandegários sobre as importações chinesas, confirmando que as negociações entre as duas maiores potências mundiais serão retomadas. "Não vamos adicionar tarifas ou remover tarifas, pelo menos por enquanto", disse Donald Trump, à margem da cimeira do G20 em Osaka, no Japão, na qual estão reunidos os líderes das maiores economias mundiais. "Continuaremos a negociar", garantiu, no final de um encontro com o congénere chinês.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.