China censura Winnie the Pooh por ser usado para ridicularizar o presidente

Nos últimos anos, vários memes têm comparado o presidente chinês ao urso Winnie the Pooh. As autoridades não ficaram indiferentes

As autoridades de censura chinesas baniram a menção do nome de Winnie the Pooh nas redes sociais esta semana. O famoso urso animado que adora mel tem sido usado em memes para ridicularizar o presidente chinês Xi Jinping nos últimos anos.

A partir desta segunda-feira, os utilizadores que escreverem Winnie the Pooh na secção de comentários das redes sociais WeChat e Weibo - as mais utilizadas na China - vão deparar-se com uma mensagem de erro porque "este conteúdo é ilegal", segundo a AFP.

Segundo a Time, imagens e GIFs do ursinho também foram apagados nas redes sociais.

O presidente Xi Jinping tem sido comparado a Winnie the Pooh nos últimos anos. Uma montagem que foi muito partilhada nas redes sociais mostra, por exemplo, uma fotografia de Jinping e do ex-presidente dos EUA, Barack Obama, tirada em 2013, ao lado de uma imagem de Winnie the Pooh e o Tigre, outra personagem de desenhos animados.

Outro meme popular na China mostrava o aperto de mãos entre Jinping e o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe ao lado de um aperto de mãos entre Winnie the Pooh e o burro Igor.

Em 2015, uma imagem que mostrava Jinping num carro a acompanhar um desfile e Winnie the Pooh num carro de brincar foi nomeada "a fotografia mais censurada" do ano na China pelos analistas políticos do Global Risk Insights.

A China é um dos países que mais exerce censura na Internet. Ferramentas como o Google, Dropbox e Youtube, ou as redes sociais Facebook e Twitter, estão bloqueadas no país.

Este ano, a China anunciou novos regulamentos para reforçar o controlo sobre os conteúdos publicados 'online'. O objetivo destes novos regulamentos é "promover uma cultura sã na Internet e salvaguardar os interesses nacionais e públicos", segundo a agência de notícias chinesa Xinhua.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.