Chamaram-lhe orangotango, ela chamou-lhes racistas. Processaram-na por difamação

A primeira ministra negra que Itália teve vai a tribunal por difamação por ter chamado racista ao partido de Matteo Salvini, depois de um senador a ter comparado a um orangotango e lhe terem mandado bananas num comício. Agora eurodeputada, a acusada prescindiu da imunidade: quer ir a tribunal.

"Quando me atacam, atacam muita gente. É importante para mim ir a tribunal, e certificar-me de que o tribunal não confirma esta acusação. Não apenas por mim mas por todas as pessoas que combatem o racismo em Itália. Querem calar-me. Sou um símbolo em Itália. Um símbolo da imigração, da diversidade."

Quem fala é Cécile Kyenge, 54 anos, ex ministra da Integração de Itália de 2013 a 2014 e atualmente eurodeputada pelo Partido Democrata, em entrevista ao Washington Post, referindo o processo por difamação que a Liga, o partido de extrema direita de Msatteo Salvini, lhe colocou por o ter apelidado de racista.

Kyennge, médica oftalmologista, foi a primeira negra com pasta ministerial em Itália. Mal ocupou o cargo, em abril de 2013, no executivo de Enrico Letta, começou a sofrer ataques racistas, como reconheceu numa entrevista dada à época: "Desde que fui nomeada, recebi ataques racistas todos os dias. Não os considero como ataques pessoais mas ao meu cargo."

"Não é fácil. É a primeira vez que Itália tem uma ministra nascida no estrangeiro. Desde a minha nomeação recebi ataques racistas todos os dias. Não considero que seja ataques a mim mas ao meu cargo."

Entre os ditos, o lançamento de bananas num evento público e a comparação, feita pelo então vice-presidente do Senado, Roberto Calderoli, do partido de extrema direita Liga Norte (hoje Liga, dirigido pelo atual ministro do Interior e vice-primeiro-ministro Matteo Salvini), da governante com um orangotango, tendo na mesma ocasião dito que Kyenge, de origem congolesa e desde 1994 cidadã italiana, faria melhor em ser ministra no seu país (foi acusado por difamação agravada pela discriminação racial). Outro membro do mesmo partido, o eurodeputado Mario Borghezio, disse logo em abril de 2013 que Kyenge queria "impor as suas tradições tribais congolesas" e intitulou a coligação do primeiro-ministro Letta de "governo bongo bongo". "Ela parece ótima para limpar a casa mas não para fazer parte de uma governo", acrescentou. Acabaria por ser condenado a pagar 50 mil euros de indemnização ao seu alvo.

Meses depois, uma político autárquica da Liga, Dolores Valandro, foi expulsa do partido após ter escrito no Facebook, a propósito de uma alegada tentativa de violação em Génova, mencionando Kyenge: "Porque é que ninguém a viola, para que saiba como se sente a vítima de um crime tão atroz?"

Nem Calderoni nem Borghezio saíram do partido, porém. Tão-pouco se demitiram dos cargos. Inquirida sobre se achava que o vice-presidente do Senado se devia demitir, Kyenge disse que não lhe cabia opinar sobre o que ele devia fazer. E quando lhe perguntaram se os italianos são racistas, respondeu: "O que está a acontecer não se deve ao facto de Itália ser racista mas por estar a passar por mudanças e não ter havido políticas para lidar com a situação, ou uma comunicação eficaz que explique o fenómeno da imigração, assim como uma educação sobre a história de Itália. Há racistas em Itália mas os italianos não são todos racistas." Em 2014, num comício em Parma, deu os nomes aos bois, qualificando o partido de Salvini e Calderoni como racista. Em 2016, já eurodeputada, acusou Salvini de "alimentar o ódio contra os imigrantes e o medo nos iltalianos".

"O racismo é central em muito do estamos a ver em Itália hoje. O ressentimento racial é a única agenda política da direita. Eles não sabem falar de mais nada senão de medo. Não têm qualquer sugestão no que respeita a economia ou ao papel do país no mundo."

A Liga, agora no poder num governo de coligação depois de obter 18% nas legislativas, e que faz do assunto imigração o seu principal cavalo de batalha sempre negando ser racista, tentou várias vezes processá-la por difamação. À terceira tentativa, conseguiu: a acusação foi feita na semana passada e o julgamento deverá ocorrer em 2021.

Podendo recorrer à imunidade que lhe é conferida pelo seu estatuto de eurodeputada, Kyenge recusou fazê-lo. E, na citada entrevista, não vacila nas críticas: "Penso que o racismo é central em muito do estamos a ver em Itália hoje. O ressentimento racial é a única agenda política da direita. Eles não sabem falar de mais nada senão de medo. Não têm qualquer sugestão no que respeita a economia ou ao papel do país no mundo."

Kyenge, que emigrou para Itália nos anos 80 para estudar medicina e esteve um ano ilegal no país, considera que existe na Europa um fenómeno que designa de "afrofobia" -- fobia em relação aos africanos . "A Europa tem de desenvolver um plano para combater a afrofobia. É preciso despertar a consciência em relação a este problema. Erradicar este fenómeno, que tem raízes fundas na história, na língua e nas mentalidades, não é fácil. Até porque a afrofobia está a crescer mais e mais por causa da crise migratória, do empobrecimento de uma parte da população europeia, e por causa da especulação mediática e política que alimenta o medo das pessoas", disse em 2016.

O tabu existente em Itália em relação às questões raciais -- como Portugal, o país não permite, nos Censos, a identificação por grupo étnico --, e que se deve em parte à existência, naquele país, no período fascista, de leis discriminatórias em relação a judeus e outros grupos, está longe, considera a ex ministra, de significar que a raça é um não assunto; pelo contrário, torna mais difícil lidar com ele. Por esse motivo, está a ponderar abandonar o parlamento europeu para dedicar ao ativismo legal relacionado com discriminação racial. "Se posso fazer isto por mim, também posso fazer por outros. Racismo é crime. O racismo tem de ser erradicado."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.