Cerca de 40% da população sem eletricidade quatro meses após furacão

Furação Maria deixou um rasto de destruição e cerca de mil mortos

Quatro meses após o furacão Maria, que terá causado mais de um milhar de mortos, cerca de 40% da população de Porto Rico permanece sem eletricidade e continua a aguardar pelas ajudas aprovadas pelo Congresso norte-americano.

A ilha, fustigada a 20 de setembro do ano passado pelo furacão Maria, que significou um antes e um depois para este território do Caribe, com cerca de 3,5 milhões de habitantes, espera "com desespero" ainda hoje pela ajuda financeira aprovada por Washington para ajudar o país, que se encontra numa situação financeira crítica.

Segundo uma reportagem da agência de notícias espanhola EFE, hoje divulgada, o panorama naquele país não convida ao otimismo, uma vez que a autoridade de energia elétrica do Estado só conseguiu devolver a eletricidade a 63,5% da população, de acordo com dados oficiais também hoje divulgados, uma percentagem que muitos descrevem como inadmissível num território que é um estado livre associado dos Estados Unidos da América, o país mais poderoso do mundo.

Embora a capital, San Juan, apresente um aspeto de certa normalidade, nos municípios mais remotos e no interior, a situação é muito diferente, sem eletricidade, quatro meses após o furacão e, o pior de tudo, sem uma data prevista de quando o serviço será retomado.

A água é um bem que não chega a todos, pois cerca de 10% da população ainda espera para abrir as torneiras para as tarefas diárias.

Um dos efeitos de toda esta situação é o êxodo de migração considerado histórico que ainda não foi quantificado devido à falta de dados oficiais, embora, com base em estatísticas de movimento de passageiros nos aeroportos, alguns especialistas demográficos falam de centenas de milhares de pessoas que já deixaram a ilha nos últimos quatro meses.

Um artigo do New York Times, publicado a 10 de dezembro, apoiado numa análise estatística, indica que o número de mortos em Porto Rico devido à passagem do furacão Maria pode ser superior a mil, isto quando o balanço oficial é de 64.

O artigo do jornal, atualizado este sábado, indica que 42 dias depois do furacão ter tocado terra na ilha, em 20 de setembro, morreram mais 1.052 do que o habitual, ou seja, comparativamente ao número de mortes verificado no mesmo período em 2016 e em 2015.

De acordo com a análise efetuada pelo New York Times (NYT), que utilizou estatísticas oficiais da ilha, 25 de setembro figurou como o dia com o maior número de mortes, com o registo de 135, contra 70 em 2016 e 60 contabilizadas em 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.