Cerca de 40% da população sem eletricidade quatro meses após furacão

Furação Maria deixou um rasto de destruição e cerca de mil mortos

Quatro meses após o furacão Maria, que terá causado mais de um milhar de mortos, cerca de 40% da população de Porto Rico permanece sem eletricidade e continua a aguardar pelas ajudas aprovadas pelo Congresso norte-americano.

A ilha, fustigada a 20 de setembro do ano passado pelo furacão Maria, que significou um antes e um depois para este território do Caribe, com cerca de 3,5 milhões de habitantes, espera "com desespero" ainda hoje pela ajuda financeira aprovada por Washington para ajudar o país, que se encontra numa situação financeira crítica.

Segundo uma reportagem da agência de notícias espanhola EFE, hoje divulgada, o panorama naquele país não convida ao otimismo, uma vez que a autoridade de energia elétrica do Estado só conseguiu devolver a eletricidade a 63,5% da população, de acordo com dados oficiais também hoje divulgados, uma percentagem que muitos descrevem como inadmissível num território que é um estado livre associado dos Estados Unidos da América, o país mais poderoso do mundo.

Embora a capital, San Juan, apresente um aspeto de certa normalidade, nos municípios mais remotos e no interior, a situação é muito diferente, sem eletricidade, quatro meses após o furacão e, o pior de tudo, sem uma data prevista de quando o serviço será retomado.

A água é um bem que não chega a todos, pois cerca de 10% da população ainda espera para abrir as torneiras para as tarefas diárias.

Um dos efeitos de toda esta situação é o êxodo de migração considerado histórico que ainda não foi quantificado devido à falta de dados oficiais, embora, com base em estatísticas de movimento de passageiros nos aeroportos, alguns especialistas demográficos falam de centenas de milhares de pessoas que já deixaram a ilha nos últimos quatro meses.

Um artigo do New York Times, publicado a 10 de dezembro, apoiado numa análise estatística, indica que o número de mortos em Porto Rico devido à passagem do furacão Maria pode ser superior a mil, isto quando o balanço oficial é de 64.

O artigo do jornal, atualizado este sábado, indica que 42 dias depois do furacão ter tocado terra na ilha, em 20 de setembro, morreram mais 1.052 do que o habitual, ou seja, comparativamente ao número de mortes verificado no mesmo período em 2016 e em 2015.

De acordo com a análise efetuada pelo New York Times (NYT), que utilizou estatísticas oficiais da ilha, 25 de setembro figurou como o dia com o maior número de mortes, com o registo de 135, contra 70 em 2016 e 60 contabilizadas em 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.