Cerca de 40% da população sem eletricidade quatro meses após furacão

Furação Maria deixou um rasto de destruição e cerca de mil mortos

Quatro meses após o furacão Maria, que terá causado mais de um milhar de mortos, cerca de 40% da população de Porto Rico permanece sem eletricidade e continua a aguardar pelas ajudas aprovadas pelo Congresso norte-americano.

A ilha, fustigada a 20 de setembro do ano passado pelo furacão Maria, que significou um antes e um depois para este território do Caribe, com cerca de 3,5 milhões de habitantes, espera "com desespero" ainda hoje pela ajuda financeira aprovada por Washington para ajudar o país, que se encontra numa situação financeira crítica.

Segundo uma reportagem da agência de notícias espanhola EFE, hoje divulgada, o panorama naquele país não convida ao otimismo, uma vez que a autoridade de energia elétrica do Estado só conseguiu devolver a eletricidade a 63,5% da população, de acordo com dados oficiais também hoje divulgados, uma percentagem que muitos descrevem como inadmissível num território que é um estado livre associado dos Estados Unidos da América, o país mais poderoso do mundo.

Embora a capital, San Juan, apresente um aspeto de certa normalidade, nos municípios mais remotos e no interior, a situação é muito diferente, sem eletricidade, quatro meses após o furacão e, o pior de tudo, sem uma data prevista de quando o serviço será retomado.

A água é um bem que não chega a todos, pois cerca de 10% da população ainda espera para abrir as torneiras para as tarefas diárias.

Um dos efeitos de toda esta situação é o êxodo de migração considerado histórico que ainda não foi quantificado devido à falta de dados oficiais, embora, com base em estatísticas de movimento de passageiros nos aeroportos, alguns especialistas demográficos falam de centenas de milhares de pessoas que já deixaram a ilha nos últimos quatro meses.

Um artigo do New York Times, publicado a 10 de dezembro, apoiado numa análise estatística, indica que o número de mortos em Porto Rico devido à passagem do furacão Maria pode ser superior a mil, isto quando o balanço oficial é de 64.

O artigo do jornal, atualizado este sábado, indica que 42 dias depois do furacão ter tocado terra na ilha, em 20 de setembro, morreram mais 1.052 do que o habitual, ou seja, comparativamente ao número de mortes verificado no mesmo período em 2016 e em 2015.

De acordo com a análise efetuada pelo New York Times (NYT), que utilizou estatísticas oficiais da ilha, 25 de setembro figurou como o dia com o maior número de mortes, com o registo de 135, contra 70 em 2016 e 60 contabilizadas em 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.