Deneuve e mais 99 defendem: eles têm o direito de "importunar"

"Esta vontade de mandar os homens para o matadouro, em vez de ajudar as mulheres a serem mais autónomas, ajuda os inimigos da liberdade sexual", lê-se numa carta aberta publicada no Le Monde

A atriz Catherine Deneuve, de 74 anos, e outras 99 mulheres francesas denunciaram esta terça-feira uma campanha anti masculina depois do escândalo Harvey Weinstein e dos escândalos de abusos sexuais em Hollywood que se seguiram. Dizem a campanha #Metoo, contra o assédio é sexual, é demasiado "puritana" e tem por base o "ódio aos homens".

São já vários os movimentos - com os Globos de Ouro a serem também uma demonstração - contra os casos de assédio e abuso sexual, que se refletiram em larga escala nas redes sociais em todo o mundo, França incluída.

"Esta vontade de mandar os homens para o matadouro, em vez de ajudar as mulheres a serem mais autónomas, ajuda os inimigos da liberdade sexual", dizem as mulheres numa carta aberta escrita no Le Monde e citada pela Reuters.

O direito masculino de "importunar" uma mulher é essencial na liberdade sexual, dizem as cem mulheres, que voltam a descrever as campanhas como demasiado "puritanas".

Marlen Schiappa, ministra francesa que está incumbida de lutar contra a violência contra as mulheres, disse à Reuters que o escândalo de Weinstein forçou a repensar a atitude contra o assédio sexual na França. Schiappa tem consultado a nível nacional a hipótese de criar leis que incluam mais medidas, preventivas e punitivas, no que toca ao assédio sexual.

"A justiça vigilante (online) tem punido os homens nos seus trabalhos, forçando-os a demitirem-se, quando tudo o que eles fizeram foi tocar um joelho ou tentar roubar um beijo", escrevem também as mulheres. "Defendemos o direito à importunação, que é vital para a liberdade sexual", acrescentam.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.