Casal de turistas morre no quarto em resort de luxo no Egito

Filha do casal acredita que as mortes poderão ter sido provocadas por problemas no ar condicionado. Governador local discorda

Dois turistas britânicos morreram num resort em Hurghada, no Egipto, com apenas horas de diferença. John Cooper, de 69 anos, e a mulher, Susan, de 63, morreram no quarto do hotel onde passavam férias com a filha e os netos. Ainda não são conhecidas as circunstâncias em que morreram, pelo que, como medida de precaução, os responsáveis pela operadora turística decidiram retirar os turistas que ali se encontravam hospedados.

O casal de Burnley, Lancashire (Inglaterra), estava a passar férias no resort Steigenberger Aqua Magic, em Hurghada, no Egipto. De acordo com o The Times, Susan terá morrido pouco tempo depois do marido, e ambos foram encontrados já sem vida no quarto do hotel.

Ahmed Abdallah, governador de Hurghada, disse à publicação britânica que a filha do casal acredita que na origem das mortes poderá ter estado uma falha no ar condicionado. "Esta alegação não é lógica, porque o ar condicionado do hotel é central e, se houvesse uma fuga, teria afetado todos os 2500 hóspedes do hotel", afirmou, destacando que foi recolhida uma amostra de comida para análise. "Mas se houvesse um problema com a comida, teria afetado outras pessoas".

Segundo Abdallah, John Cooper terá sofrido um ataque cardíaco. "Encontrámos um saco de medicamentos no quarto dele. Sofria de muitos problemas de saúde. A esposa morreu duas a três horas depois. Pode ter sido devido a um choque ou ela pode ter tomado alguma coisa", afirmou.

Na sequência das mortes, a operadora de turismo Thomas Cook, que admitiu ter recebido outros relatos de doença por parte de turistas, decidiu retirar os hóspedes que tinha hospedado naquele hotel. "A segurança é sempre a nossa prioridade, portanto, como medida de precaução, resolvemos retirar todos os nossos clientes deste hotel", escreveu em comunicado.

Em causa, adianta a BBC, estão 301 pessoas, às quais serão dadas opções de hotéis alternativos ou a possibilidade de regressarem a casa, se assim o desejarem. Embora assuma que a decisão por ser perturbadora para quem está de férias, a empresa acredita que é a melhor coisa a fazer.

No comunicado, a Thomas Cook adiantou, ainda, que o resort tinha sido auditado há pouco tempo, tendo recebido uma pontuação de 96%.

De acordo com os médicos, o casal já estava morto quando foi transferido para o hospital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.