Caça espanhol dispara míssil por engano a 100 km da fronteira com a Rússia

Incidente ocorreu durante manobras na Estónia e o Ministério da Defesa espanhol abriu uma investigação. Não houve quaisquer danos. Forças Armadas estónias dizem que míssil tem mecanismo que assegura a sua destruição no ar, mas mesmo assim não descartam que possa ter caído em terra e iniciaram uma operação de busca pelo projétil com a ajuda de helicópteros

Um Eurofighter da Força Aérea espanhola disparou por engano um míssil ar-ar de fabrico norte-americano durante manobras militares realizadas esta terça-feira, numa zona reservada da Estónia, a cerca de 100 Km da fronteira com a Rússia.

O disparo do caça espanhol ocorreu ao início da tarde durante um exercício em que também participavam Mirage franceses. Após o incidente, que não alcançou outras aeronaves nem provocou outros danos, os aviões, dois espanhóis e dois franceses, regressaram à base de Siauliai, na Lituânia, outra república báltica de onde tinham descolado inicialmente.

As Forças Armadas estónias dizem que o míssil, com 25 Kg de carga explosiva e 100 km de alcance, tem um mecanismo que assegura a sua destruição no ar, mas mesmo assim não descartam que possa ter caído em terra e iniciaram, por isso, uma operação de busca pelo projétil.

A Força Aérea espanhola participa numa missão da NATO de controlo do espaço aéreo dos países do Báltico, uma vez que estes carecem de aviões de combate e incapazes de dissuadir eventuais incursões aéreas russas na região.

A tensão entre os países da NATO e a Rússia têm vido a aumentar, nomeadamente desde a guerra na Ucrânia, tendo o primeiro-ministro russo avisado na terça-feira para as possíveis consequências de uma adesão da Geórgia à Aliança Atlântica.

"Existe um conflito territorial por resolver... e esse país seria integrado numa aliança militar?", interrogou-se Dmitri Medvedev, em entrevista ao jornal russo Kommersant. E frisou: "Compreendem as possíveis implicações? Poderia originar um conflito horrível".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.