Caça espanhol dispara míssil por engano a 100 km da fronteira com a Rússia

Incidente ocorreu durante manobras na Estónia e o Ministério da Defesa espanhol abriu uma investigação. Não houve quaisquer danos. Forças Armadas estónias dizem que míssil tem mecanismo que assegura a sua destruição no ar, mas mesmo assim não descartam que possa ter caído em terra e iniciaram uma operação de busca pelo projétil com a ajuda de helicópteros

Um Eurofighter da Força Aérea espanhola disparou por engano um míssil ar-ar de fabrico norte-americano durante manobras militares realizadas esta terça-feira, numa zona reservada da Estónia, a cerca de 100 Km da fronteira com a Rússia.

O disparo do caça espanhol ocorreu ao início da tarde durante um exercício em que também participavam Mirage franceses. Após o incidente, que não alcançou outras aeronaves nem provocou outros danos, os aviões, dois espanhóis e dois franceses, regressaram à base de Siauliai, na Lituânia, outra república báltica de onde tinham descolado inicialmente.

As Forças Armadas estónias dizem que o míssil, com 25 Kg de carga explosiva e 100 km de alcance, tem um mecanismo que assegura a sua destruição no ar, mas mesmo assim não descartam que possa ter caído em terra e iniciaram, por isso, uma operação de busca pelo projétil.

A Força Aérea espanhola participa numa missão da NATO de controlo do espaço aéreo dos países do Báltico, uma vez que estes carecem de aviões de combate e incapazes de dissuadir eventuais incursões aéreas russas na região.

A tensão entre os países da NATO e a Rússia têm vido a aumentar, nomeadamente desde a guerra na Ucrânia, tendo o primeiro-ministro russo avisado na terça-feira para as possíveis consequências de uma adesão da Geórgia à Aliança Atlântica.

"Existe um conflito territorial por resolver... e esse país seria integrado numa aliança militar?", interrogou-se Dmitri Medvedev, em entrevista ao jornal russo Kommersant. E frisou: "Compreendem as possíveis implicações? Poderia originar um conflito horrível".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.