UE alerta para risco de falta de acordo sobre a questão irlandesa

Terá que haver "uma solução específica para a Irlanda do Norte", diz Michel Barnier

O principal negociador da União Europeia (UE) para o 'Brexit', Michel Barnier, reiterou hoje o alerta para o risco que uma falta de acordo sobre a questão irlandesa acarreta para o resultado das negociações entre Bruxelas e Londres.

"O quadro do acordo deve conter uma solução clara e operacional sobre a Irlanda", disse Barnier, numa conferência de imprensa em Dublin.

"Até conseguirmos alcançar este acordo, há um risco", salientou, referindo-se à possibilidade de fracasso das negociações sobre os termos da saída do Reino Unido do bloco europeu.

Para o responsável da UE para as negociações do 'Brexit' -- marcado para 29 de março de 2019 -- terá que haver "uma solução específica para a Irlanda do Norte".

"Temos que nos pôr de acordo antes de junho sobre vários aspetos, sobre o quadro de alinhamento das regras da união aduaneira e do mercado único.

Londres e Bruxelas dizem ambas querer evitar o restabelecimento de uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, após o 'Brexit'.

Em causa está a preservação dos acordos de paz de 1998, que terminaram com três décadas de conflitos sangrentos entre nacionalistas republicanos e unionistas do Ulster.

Londres aceitou integrar nos acordo de saída da UE a opção de ser criado um "espaço regulamentar comum", designada como 'backstop' , até ser encontrada uma solução satisfatória.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.