Brexit baralha portugueses que vivem no Reino Unido

Portugueses estão confusos com futuro estatuto de residência no país. Processo de candidatura para os cidadãos europeus que queiram ficar no Reino Unido após o Brexit será obrigatório para todos

O futuro estatuto de imigração após a saída do Reino Unido da União Europeia é confuso para os residentes portugueses como Hélder Morgado, que chegou à Escócia há dois anos, pouco depois do referendo que ditou o Brexit.

Apesar de se considerar informado pela imprensa portuguesa e britânica e de ser indicado pelo grupo de amigos como o mais interessado do grupo pela atualidade, o barcelense de 40 anos ainda tem dúvidas. "Não é muito claro, tenho muitas dúvidas. Gostava de ter informação mais definitiva sobre o que preciso de fazer, mas há muita especulação", afirmou o auxiliar de cuidados de saúde à agência Lusa.

Equipado com um cachecol e camisola da seleção nacional de futebol, cujo jogo amigável contra a Escócia assistiu no domingo em Glasgow, Hélder Morgado admitiu que ainda não tentou pedir o estatuto de residência.

"Não é muito claro, tenho muitas dúvidas. Gostava de ter informação mais definitiva sobre o que preciso de fazer, mas há muita especulação"

"Não me preocupei muito porque [a saída] é só em 2019 e ouvi dizer que o governo britânico vai dar mais dois anos para as pessoas se registarem, por isso penso que vai haver tempo suficiente", justificou.

Enquanto não completar cinco anos consecutivos a viver no Reino Unido, Morgado só terá direito a um título provisório ["pre-settled status"], sendo o estatuto de residente permanente ["settled status"] atribuído àqueles que estão há cinco anos ou mais no país.

O governo britânico prometeu que vai defender os direitos dos europeus depois da saída da UE, e afirmou que aqueles que chegarem antes do Brexit vão poder ficar e completar os cinco anos necessários para o título de residência permanente.

O settled status, indicou o Ministério do Interior, dará aos europeus o direito de "ficar no Reino Unido o tempo que quiserem" após dezembro de 2020, com acesso ao mercado de trabalho, serviços públicos como a educação, saúde, apoios sociais e pensão de reforma.

Depois do Brexit, revelou a primeira-ministra, Theresa May, os cidadãos dos países da UE vão passar a ser tratados da mesma forma que os restantes países de fora da UE e o acesso a empregos britânicos por imigrantes será prioritariamente dado a trabalhadores com melhores qualificações, enquanto que aqueles com menos qualificações vão enfrentar mais restrições.

Apesar de qualificar-se para o estatuto de pre-settled, Hélder Morgado receia que, mesmo assim, seja necessário candidatar-se a visto de trabalho e questiona-se se "será viável ficar, se será que vai ser fácil", ou se existe o risco de perder o emprego.

João Lopes, de 37 anos, dos quais 14 anos na Escócia, onde trabalha na construção civil, também está confuso porque a informação que recebe vem sobretudo das redes sociais, onde leu que mesmo aqueles com mais de cinco anos de residência "não precisam de fazer nada".

Mas o processo de candidatura para os cidadãos europeus que queiram ficar no Reino Unido após o Brexit, no final de março do próximo ano, será obrigatório para todos, de idosos a crianças, com exceção daqueles com dupla nacionalidade.

É o caso do filho menor de João Lopes, que nasceu em Edimburgo e teve direito a passaporte britânico apesar de nenhum dos pais ter título de residência permanente.

Albino Pereira, de 62 anos, já conseguiu o cartão azul graças à ajuda do serviço de aconselhamento aos cidadãos Citizens Advice e do consulado português em Manchester.

Para isso precisou de preencher um formulário de 85 páginas e anexar numerosos documentos, além de pagar uma taxa de 65 libras (74 euros), mas quando fizer o registo após 2019 no sistema eletrónico do ministério do Interior britânico verá ser atribuído de forma automática e gratuita o settled status.

"Mas estou preocupado com o meu filho, que tem deficiência profunda, e a minha mulher, que trata dele e não trabalha. Eles só cá estão há dois anos", confiou Pereira, desconhecedor de que o novo sistema promete facilitar o registo dos familiares que não tenham trabalhado no Reino Unido.

O irmão de Hélder, Carlos Morgado, conta que não é só a incerteza sobre o Brexit que está a levar os europeus a irem-se embora ou a procurarem outros países para imigrarem. "A libra desvalorizou, o custo de vida aumentou e os salários não sobem. Ainda há portugueses a chegarem para procurar trabalho, mas já não é tão fácil", explicou à Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.