Juiz holandês questiona Tribunal Europeu sobre direitos dos expatriados

Tribunal de Justiça da UE vai ter de clarificar direitos dos britânicos que vivem em países-membros da UE após o Brexit

O tribunal holandês aceitou hoje pedir ao Tribunal de Justiça da União Europeia para clarificar os direitos de cidadania dos britânicos que vivem em países membros da UE após o 'Brexit'.

Numa decisão que pode constituir um precedente legal para cerca de um milhão de britânicos expatriados na UE, o juiz Floris Bakels considerou que "tem de haver mais clareza sobre as consequências do 'Brexit' na cidadania europeia".

Duas questões preliminares vão ser encaminhadas para a mais alta jurisdição europeia, com sede no Luxemburgo, explicou o advogado de um grupo de cinco cidadãos britânicos a residir na Holanda que recorreu à justiça.

"O 'Brexit' significa que os britânicos perdem automaticamente a cidadania europeia ou conservam esses direitos? Se sim, em que condições?" precisou o advogado, Alberdingk Thijm.

De acordo com os tratados europeus, qualquer cidadão de um país membro da UE é também um cidadão europeu, usufruindo de direitos como a livre circulação, para residir e trabalhar, no território europeu.

Neste processo, o grupo de britânicos alega que deve usufruir dos direitos de cidadania europeia e não apenas dos de cidadão de um Estado-membro.

O juiz tribunal distrital de Amesterdão deu uma semana aos advogados para analisarem a decisão e eventualmente acrescentarem outras questões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.