Estado Islâmico reivindica atentado que feriu 15 pessoas na Alemanha

Ataque foi perpetrado por um refugiado sírio, que se fez explodir. Homem gravara no telemóvel um vídeo a jurar lealdade ao ISIS

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou esta segunda-feira o ataque que feriu 15 pessoas na cidade alemã de Ansbach, na noite de domingo. A reivindicação do atentado foi feita através da Amaq, a agência de notícias do Estado Islâmico, que garante que o autor do ataque, um sírio de 27 anos, "levou a cabo a operação em resposta aos apelos para atingir os países da coligação que lutam contra o Estado Islâmico".

Já esta segunda-feira, o ministro do Interior da Baviera revelara que o bombista tinha vídeos jihadistas no telemóvel. Segundo Joachim Hermann, foi mesmo encontrado um vídeo do autor do ataque a jurar lealdade ao Estado Islâmico. "Uma tradução provisória fornecida por um intérprete mostra que ele anuncia expressamente, em nome de Alá, e jurando lealdade a Abu Bakr al-Baghdadi [líder do Estado Islâmico], conhecido líder islamita, um ato de vingança contra a Alemanha porque está a colocar-se no caminho do Islão".

Joachim Hermann revelou em conferência de imprensa, ao início da tarde de segunda-feira, que o homem de 27 anos tinha, ao todo, dois telemóveis, vários cartões SIM e um computador portátil, que foram recuperados junto ao corpo e no albergue onde residia. Nos dispositivos foi encontrado "conteúdo salafista", revelou o ministro.

A polícia encontrou ainda, no albergue em que residia o bombista, gasolina, químicos e outros materiais que poderiam ser usados para fazer uma bomba.

Já o ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, que também falou em conferência de imprensa, explicou o ponto em que se encontrava o processo do refugiado sírio, que sofria de problemas psiquiátricos e já tinha sido sujeito a internamento. Segundo de Maizière, o homem chegara à Alemanha em 2014, tendo feito um pedido de asilo. "Como parte dos procedimentos de asilo, houve indicação de que ele já tinha sido registado como refugiado noutros países europeus. O registo tinha sido feito na Bulgária e na Áustria. Contactámos as autoridades búlgaras, que nos informaram que ao perpetrador tinha sido concedido estatuto de refugiado. Como resultado, a 2 de dezembro de 2014, o pedido de asilo foi recusado e ordenada a deportação para a Bulgária. O tribunal em Ansbach reafirmou esta decisão".

No entanto, explicou o ministro, por ter sido submetida documentação e exames médicos que comprovavam que a pessoa em questão sofria de instabilidade psicológica, a ordem de deportação foi suspensa. Foi reativada a 13 de julho deste ano, tendo sido o indivíduo devidamente notificado.

O autor do ataque terá tentado, por duas vezes, suicidar-se, daí ter passado algum tempo num hospital psiquiátrico", revelou ainda o ministro, que admite que possíveis ligações ao Estado Islâmico não podem ser excluídas, ainda que a instabilidade mental do suspeito possa ter tido fator determinante. De Mazière referiu ainda que a Alemanha vai intensificar a presença policial nos aeroportos e estações de comboios, assim como as operações de patrulhamento nas fronteiras.

O refugiado sírio de 27 anos fez-se explodir pelas dez da noite de domingo em frente a um restaurante, junto ao local onde ia realizar-se um concerto em Ansbach, na Baviera, depois de lhe ter sido negada a entrada no recinto onde ia decorrer o espetáculo. Ficaram feridas 15 pessoas, das quais quatro em estado grave. O bombista foi a única vítima mortal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.