Bolsonaro dez pontos à frente de Haddad na véspera da eleição

Sondagem da Datafolha para o jornal brasileiro Folha de S. Paulo dava, na véspera da segunda volta das eleições presidenciais no Brasil, o candidato da extrema-direita com 55% das intenções de voto contra o adversário do Partido Trabalhista com 45%.

O deputado Jair Bolsonaro, do Partido Social Liberal chegou à véspera da segunda volta das eleições brasileiras com 55% das intenções de voto, ou seja, uma vantagem de dez pontos percentuais em relação ao ex-prefeito Fernando Haddad, do Partido Trabalhista, segundo uma sondagem da Datafolha feita na sexta-feira.

Estes dados sugerem que a diferença entre os dois candidatos se estreitou mais nos últimos dias da campanha para a segunda volta desta corrida à presidência do Brasil. Mas a diferença é muito ligeira, já que Bolsonaro oscilou dos 56% nas intenções de voto para 55%, enquanto Haddad passou de 46% para os 45%. No entanto, há nove dias a diferença chegou a ser de 18 pontos percentuais.

Segundo a Datafolha, 8% dos eleitores brasileiros chegaram à véspera da eleição inclinados a votar em branco ou nulo, e 5% dizem que ainda não sabem em quem votar. No total, são 13% os eleitores sem candidato definido.

Nesta sondagem, em que foram inquiridas 18.371 pessoas em 340 municípios na passad sexta-feira, constata-se que 92% dos eleitores estão decididos sobre o candidato a escolher. Entre os que pretendem votar em branco ou anular o voto, somente 23% disseram que ainda podem mudar de ideia até à votação. Mas mesmo que todos optassem por Haddad na hora do voto, os votos seriam insuficientes para eliminar a diferença que separa Bolsonaro do adversário do PT.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".