Funcionário rouba avião no aeroporto de Seattle e despenha-se. Não estavam passageiro a bordo

O avião foi perseguido por F-15, antes de se despenhar no estreito de Puget

Um funcionário de uma companhia aérea roubou um avião vazio da pista do aeroporto de Seattle e realizou na sexta-feira uma "descolagem não autorizada", tendo-se despenhado pouco tempo depois.

Testemunhas relataram que o avião da Horizon Air foi perseguido por aviões militares, durante mais de meia hora, antes de se despenhar no estreito de Puget. Os F-15 sairam de uma base perto logo que se soube que um homem tinha fugido com um avião.

O homem de 29 anos realizou uma série de manobras perigosas e acabou por cair, depois de ter uma breve conversa com a torre de controlo.

Segundo a BBC, nas gravações que circulam, ouve-se o homem abordar temas como da orca que carrega a cria morta há 16 dias, ou sobre a possibilidade da Alaska Airlines lhe dar emprego como piloto se conseguisse aterrar com sucesso.

O acidente deveu-se a uma "série de acrobacias ou falta de conhecimento" do piloto, disseram as autoridades locais no Twitter. O xerife Paul Pastor disse à ABC7 que parece ter sido uma diversão que correu muito muito mal.

De acordo com a agência Associated Press (AP), as autoridades norte-americanas já descartaram qualquer ligação terrorista, afirmando que se tratou de suicídio.

A administração do Sea-Tac Airport, em Seattle, afirmou que as operações no aeroporto já haviam retomado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.