Cientistas estudam orca que carrega cria morta há 16 dias

Normalmente estes animais só costumam fazer isso durante uma semana.

Uma orca está há 16 dias a transportar uma cria morta, o que tem despertado as atenções mundiais. O animal tem sido objeto de estudo por parte dos cientistas desde o passado dia 24 de julho, e até agora não foi possível apurar uma causa para a sua morte.

"Talvez seja apenas a forma de superar a perda da cria. É provável que na última década ela tenha perdido mais duas. É muito trágico para estes animais perderem os bebés, e isso é cada vez mais comum acontecer", disse à BBC Ken Balcomb, cientista no Centro de Pesquisa de Baleias, que considera que não é normal esta mãe manifestar tal comportamento durante muito tempo.

Normalmente as orcas costumam carregar os cadáveres das suas crias por apenas uma semana, mas os cientistas acreditam que esta mãe está prestes a "bater um recorde". O animal aparenta estar em boa forma e a alimentar-se, pelo que tudo o que os cientistas podem fazer é acompanhar o fenómeno.

As orcas são consideradas pelos EUA e Canadá como animais em vias de extinção. Nos últimos tempos tem-se assistido a uma redução da quantidade do salmão Chinook, alimento fundamental para a sua sobrevivência. Estes animais podem ser encontrados a sul da ilha de Vancouver, no Canadá, e em águas marinhas dentro do estado de Washington, nos EUA.

Segundo o centro de pesquisas mencionado anteriormente, só um terço das orcas do sul que nasceram nos últimos vinte anos têm hipóteses de sobrevivência, e nos últimos três anos nenhuma gravidez teve sucesso.

Os cientistas estão a procurar desenvolver um plano de resgate para uma das orcas jovens, conhecida como J50.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.