Cientistas estudam orca que carrega cria morta há 16 dias

Normalmente estes animais só costumam fazer isso durante uma semana.

Uma orca está há 16 dias a transportar uma cria morta, o que tem despertado as atenções mundiais. O animal tem sido objeto de estudo por parte dos cientistas desde o passado dia 24 de julho, e até agora não foi possível apurar uma causa para a sua morte.

"Talvez seja apenas a forma de superar a perda da cria. É provável que na última década ela tenha perdido mais duas. É muito trágico para estes animais perderem os bebés, e isso é cada vez mais comum acontecer", disse à BBC Ken Balcomb, cientista no Centro de Pesquisa de Baleias, que considera que não é normal esta mãe manifestar tal comportamento durante muito tempo.

Normalmente as orcas costumam carregar os cadáveres das suas crias por apenas uma semana, mas os cientistas acreditam que esta mãe está prestes a "bater um recorde". O animal aparenta estar em boa forma e a alimentar-se, pelo que tudo o que os cientistas podem fazer é acompanhar o fenómeno.

As orcas são consideradas pelos EUA e Canadá como animais em vias de extinção. Nos últimos tempos tem-se assistido a uma redução da quantidade do salmão Chinook, alimento fundamental para a sua sobrevivência. Estes animais podem ser encontrados a sul da ilha de Vancouver, no Canadá, e em águas marinhas dentro do estado de Washington, nos EUA.

Segundo o centro de pesquisas mencionado anteriormente, só um terço das orcas do sul que nasceram nos últimos vinte anos têm hipóteses de sobrevivência, e nos últimos três anos nenhuma gravidez teve sucesso.

Os cientistas estão a procurar desenvolver um plano de resgate para uma das orcas jovens, conhecida como J50.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.