Ataque à faca fere sete pessoas em Paris

Segundo o Le Parisien, o atacante foi preso e não há indícios de que se tenha tratado de um ataque terrorista

Sete pessoas ficaram feridas, quatro das quais gravemente, na sequência de um ataque que ocorreu na noite deste domingo em Paris com recurso a uma faca e a uma barra de ferro por parte de um indivíduo do sexo masculino, adianta o Le Parisien .

O incidente ocorreu por volta das 22.45 locais (21.45 em Lisboa) nas docas de La Loire, tendo o atacante inicialmente esfaqueado três pessoas no cinema MK2. Alguns homens que estavam a jogar petanca nas proximidades tentaram impedi-lo, tendo um deles lhe atirado uma bola, conseguindo atingir o atacante.

Entretanto, o atacante prosseguiu pela rua Henri Nogueras, uma perpendicular à rua em que decorreu ataque. Nesta rua, o atacante feriu dois turistas ingleses, um dos quais na zona do peite. O outro sofreu ferimentos na cabeça.

O atacante, que também ficou ferido, acabou por ser detido pelas autoridades. Foi identificado como sendo maior de idade e com nacionalidade afegã.

De acordo com informações recolhidas pelo Le Parisien, os quatro feridos graves estão atualmente nos cuidados intensivos nos hospitais de Lariboisière, Percy e Foch.

Entretanto, foi confiada ao segundo distrito da Polícia Judiciária uma investigação com base na tentativa de homicídio, não havendo para já provas de que se tenha tratado de um ataque terrorista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.