Arábia Saudita autoriza mulheres a assistir a jogos em três estádios

Autorização entra em vigor só no próximo ano

A Arábia Saudita vai autorizar as mulheres a assistir a acontecimentos desportivos em três estádios do país a partir de 2018, indicaram hoje as autoridades do reino ultraconservador.

Segundo a Autoridade Geral do Desporto, numa mensagem na rede social Twitter, três estádios, em Riade, Jeddah (oeste) e Dammam (leste) começaram a ser preparados para receber famílias a partir do início de 2018.

A decisão inédita é anunciada numa altura em que o reino do Golfo começou recentemente a aliviar as restrições às mulheres.

Em setembro, o rei Salmane permitiu que as mulheres sauditas possam conduzir automóveis a partir de junho de 2018, uma decisão histórica naquele que é o último país do mundo que interdita a condução automóvel às mulheres.

Poucos dias antes, centenas de mulheres sauditas já se tinham sentado pela primeira vez num estádio em Riade, por ocasião do feriado nacional, para assistir a concertos e fogo de artifício. Até então nunca tinham sido admitidas em estádios, no âmbito da aplicação da regra de separação de géneros em espaços públicos.

Na Arábia Saudita as mulheres estão submetidas à tutela de um homem da família, normalmente o pai, o marido ou um irmão, para estudarem ou viajar.

No quadro de um ambicioso plano de reformas económicas e sociais para o horizonte de 2030, no sentido de limitar a dependência do petróleo, Riade parece estar a amenizar restrições que eram impostas às mulheres, apesar da oposição dos ultraconservadores.

Em julho, os ativistas dos direitos humanos já se tinham congratulado com a decisão do Ministério da Educação de permitir que as raparigas pratiquem desporto nas escolas públicas.

As mulheres sauditas não são autorizadas a praticar desporto em público. A abertura de salas de desporto privadas para mulheres suscitou polémica.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.