#MeToo não teve impacto? Homens continuam a subestimar assédio sexual

Estudo em 13 países mostrou que homens continuam a achar que o número de mulheres assediadas é significativamente menor do que a realidade.

O movimento #MeToo abalou o mundo, mas não mudou significativamente as consciências. Esta é a conclusão de um estudo da Ipsos Moris, uma empresa de estudos de mercado britânica que costuma publicar relatórios onde avalia a forma como o público perceciona uma determinada mensagem. Desta vez, foi o assédio sexual. Homens e mulheres dos EUA e de 12 países europeus - Portugal não fez parte do estudo - subestimaram a percentagem de mulheres vítimas de assédio sexual.

A empresa concluiu que em 13 países - aqueles de que dispõe de dados - os entrevistados disseram que apenas 39 por cento das mulheres foram vítimas de assédio, quando na verdade foram 60 por cento. A Dinamarca, os Países Baixos, a França e os EUA são os países onde a extensão do assédio sexual é mais subestimada. Os dinamarqueses ficaram 49 por cento abaixo da realidade, os holandeses 35 por cento e os franceses 31 por cento.

O inquérito foi realizado entre 28 de setembro e 16 de outubro de 2018 em 37 países, e abrangeu 28.115 entrevistas.

As mulheres também subestimaram os números reais

Não foram só homens os entrevistados, também mulheres, mas são eles quem aponta um menor número de vítimas de assédio. Segundo o inquérito da Ipsos Moris, em média, os homens consideram que 36% das mulheres do seu país sofreram assédio sexual, enquanto as mulheres dizem que 44% do sexo feminino sofreu esse tipo de abuso - um número ainda muito abaixo do verdadeiro.

"Em cada 100 mulheres quantas considera que foram vítimas de qualquer forma de assédio sexual desde os 15 anos?", era a pergunta feita, à exceção dos EUA, onde a pergunta não foi realizada com a inclusão da idade.

O inquérito foi realizado após o movimento - espoletado pelos casos de assédio sexual e alegadas violações de atrizes e candidatas a atrizes pelo produtor de Hollywood Harvey Weinstein.

Apesar de na Dinamarca, um estudo datado de 2012 ter constatado que 80% das mulheres sofreram alguma forma de assédio sexual desde os 15 anos, a resposta média entre os homens foi de 31%. Na Holanda - onde um conhecido maestro foi despedido devido a alegações de assédio sexual e onde 73% das mulheres revelaram terem sido vítimas de assédio, a resposta média entre os homens foi de 38%, lembra o Guardian. Os franceses estimaram em 41 por cento as mulheres assediadas, mas o estudo de 2012 constatou que 75% das mulheres francesas já tinham sofrido assédio sexual.

Nos EUA, um estudo de 2018 revelou que 81% das mulheres tinham sido assediadas em algum momento da vida, mas a resposta média dos homens norte-americanos foi de 44%.

Laura Bates, que criou o Everyday Sexism Project, um site criado pela escritora feminista britânica que revela as experiências das mulheres no contexto de desigualdade de género, disse ao Guardian que a dificuldade dos homens em reconhecerem a extensão do assédio sexual está a atrasar os esforços atuais para o eliminar.

"É um Inquérito que chega um ano depois do #MeToo e que sugere que temos um problema real em acreditar nas mulheres e levá-las a sério", disse a ativista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?