Acusadas de matar meio-irmão de Kim Jong-un vão a julgamento

As duas mulheres detidas em 2017 na capital da Malásia foram avisadas de que há provas suficientes para as levar a tribunal.

A justiça malaia disse haver "evidência suficiente" para levar a julgamento as duas mulheres acusadas da morte do meio-irmão do líder norte-coreano em Kuala Lumpur, em fevereiro de 2017, arriscando a pena de morte se forem condenadas.

"Não posso excluir" que possa ter sido "um assassinato político" mas também "não posso confirmar esse facto", afirmou esta quinta-feira o juiz Azmi Ariffin na audiência do Supremo Tribunal malaio, citado pela BBC.

Kim Jong-nam foi abordado por duas mulheres, a indonéxia Siti Aisyah e a vietnamita Doan Thi Huong, na zona das partidas do aeroporto da capital da Malásia, uma das quais lhe colocou as mãos na cara antes de fugirem do local, conforme revelaram imagens das câmaras de vigilância.

Ambas alegaram inocência na morte, que se concluiu ter sido motivada por VX (um dos agentes químicos mais tóxicos), dizendo ter sido aliciadas para participar no que julgavam ser uma brincadeira para um programa de televisão.

Contudo, o juiz Azmi Ariffin afirmou existirem evidências suficientes para concluir que houve "uma conspiração bem planeada entre as mulheres e os quatro norte-coreanos" identificados pelas autoridades malaias, que ainda continuam a monte.

Através da vídeovigilância, adiantou o juiz, foi possível ver que "elas sabiam que o líquido nas suas mãos era tóxico".

Meio-irmão de Kim Jong-un, Kim Jong-nam ia apanhar um avião para Macau quando foi atacado. Depois de pedir ajuda médica no local, morreu a caminho do hospital.

A Coreia do Norte negou qualquer envolvimento na morte de Kim Jong-nam, que chegou a ser apontado como o futuro líder do país mas foi ultrapassado por Kim Jong-un após a morte do pai.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.