Acusadas de matar meio-irmão de Kim Jong-un vão a julgamento

As duas mulheres detidas em 2017 na capital da Malásia foram avisadas de que há provas suficientes para as levar a tribunal.

A justiça malaia disse haver "evidência suficiente" para levar a julgamento as duas mulheres acusadas da morte do meio-irmão do líder norte-coreano em Kuala Lumpur, em fevereiro de 2017, arriscando a pena de morte se forem condenadas.

"Não posso excluir" que possa ter sido "um assassinato político" mas também "não posso confirmar esse facto", afirmou esta quinta-feira o juiz Azmi Ariffin na audiência do Supremo Tribunal malaio, citado pela BBC.

Kim Jong-nam foi abordado por duas mulheres, a indonéxia Siti Aisyah e a vietnamita Doan Thi Huong, na zona das partidas do aeroporto da capital da Malásia, uma das quais lhe colocou as mãos na cara antes de fugirem do local, conforme revelaram imagens das câmaras de vigilância.

Ambas alegaram inocência na morte, que se concluiu ter sido motivada por VX (um dos agentes químicos mais tóxicos), dizendo ter sido aliciadas para participar no que julgavam ser uma brincadeira para um programa de televisão.

Contudo, o juiz Azmi Ariffin afirmou existirem evidências suficientes para concluir que houve "uma conspiração bem planeada entre as mulheres e os quatro norte-coreanos" identificados pelas autoridades malaias, que ainda continuam a monte.

Através da vídeovigilância, adiantou o juiz, foi possível ver que "elas sabiam que o líquido nas suas mãos era tóxico".

Meio-irmão de Kim Jong-un, Kim Jong-nam ia apanhar um avião para Macau quando foi atacado. Depois de pedir ajuda médica no local, morreu a caminho do hospital.

A Coreia do Norte negou qualquer envolvimento na morte de Kim Jong-nam, que chegou a ser apontado como o futuro líder do país mas foi ultrapassado por Kim Jong-un após a morte do pai.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.