Acusadas de matar meio-irmão de Kim Jong-un vão a julgamento

As duas mulheres detidas em 2017 na capital da Malásia foram avisadas de que há provas suficientes para as levar a tribunal.

A justiça malaia disse haver "evidência suficiente" para levar a julgamento as duas mulheres acusadas da morte do meio-irmão do líder norte-coreano em Kuala Lumpur, em fevereiro de 2017, arriscando a pena de morte se forem condenadas.

"Não posso excluir" que possa ter sido "um assassinato político" mas também "não posso confirmar esse facto", afirmou esta quinta-feira o juiz Azmi Ariffin na audiência do Supremo Tribunal malaio, citado pela BBC.

Kim Jong-nam foi abordado por duas mulheres, a indonéxia Siti Aisyah e a vietnamita Doan Thi Huong, na zona das partidas do aeroporto da capital da Malásia, uma das quais lhe colocou as mãos na cara antes de fugirem do local, conforme revelaram imagens das câmaras de vigilância.

Ambas alegaram inocência na morte, que se concluiu ter sido motivada por VX (um dos agentes químicos mais tóxicos), dizendo ter sido aliciadas para participar no que julgavam ser uma brincadeira para um programa de televisão.

Contudo, o juiz Azmi Ariffin afirmou existirem evidências suficientes para concluir que houve "uma conspiração bem planeada entre as mulheres e os quatro norte-coreanos" identificados pelas autoridades malaias, que ainda continuam a monte.

Através da vídeovigilância, adiantou o juiz, foi possível ver que "elas sabiam que o líquido nas suas mãos era tóxico".

Meio-irmão de Kim Jong-un, Kim Jong-nam ia apanhar um avião para Macau quando foi atacado. Depois de pedir ajuda médica no local, morreu a caminho do hospital.

A Coreia do Norte negou qualquer envolvimento na morte de Kim Jong-nam, que chegou a ser apontado como o futuro líder do país mas foi ultrapassado por Kim Jong-un após a morte do pai.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.